Visit Blog

Explore Tumblr blogs with no restrictions, modern design and the best experience.

Fun Fact

40% of users visit Tumblr between 1 and 30 times a month.

Trending Blogs
#kristof

FROZEN TWO SPOILERS

I don’t really like sequels and tbh I would love frozen to be like a tv series I feel like it could have great potential and freedom.

That being said, the plot line was kind of predictable

While watching I said to myself

-that’s gotta be Iduna she’s gotta be the one who saved their dad and has connection to magic, it makes sense

-Elsa is the bridge between worlds because her mom was Iduna and her dad the son of arendale

I was able to predict the big “plot twists” during the duration of the film

Also the songs were very different compared to the second movie and seemed a little out of place to the more classical music feel of the first one

For goodness sake Kristof sang a song that sounded like a 90’s love song

BUT

I thourougly enjoyed this movie

I enjoyed the lore it dove into

I loved the dots being connected

In my honest opinion, it didn’t feel like a stretch. The magic made sense, which is hard to do sometimes.

Also the way they showed the elemental spirits gave me chills.



image

Originally posted by sarathedisneygirl

image

Originally posted by darkhorsedouglas


(Couldn’t find all the gifs for them rip)


I’m going to get rather personal with this in why I loved the other elements.

-Fire: fire was fantastic because it can be destructive and terrifying yet playful and exciting. The little newt captured that completely.

Air: Gale!! Olaf what a great name! Literally wind is so joyous and playful and curious. If you think about a moment in your childhood of riding on a bike or running or being on a roller coaster you can feel the wind rush around you. They capture that into a spirit.

Water: if you’ve ever been in the ocean the horrifying nature the horse is presented in is fitting. The waves can destroy you and toss you to and fro. The ocean can be deadly. But once you understand it and know how to work with it it’s beautiful.

Earth: THE EARTH IS POWERFUL AND STRONG HAVE YOU SEEN MOUNTAINS AND CANYONS AND STUFF?? NEED I SAY MORE ABOUT THESE GIANTS!


Something that was odd to me was everything that happened to Elsa in the first movie, did it have an affect on the forest? When she struck Anna and she was dealing with everything on her own and trying to accept herself… why didn’t that awake the forest? Obviously her emotions can drive her powers. It just makes me wonder if the forest was affected. Maybe the forest just wasn’t ready because she wasn’t ready yet.

image

Originally posted by bi-great

I keep wanting more details than was given and that’s why this would do so well in its own series, so much could happen. There’s so much magic and history it’s incredible.

I believe the reason they didn’t address all of it in the first movie was because, the forest was hidden away and we had to get to know the characters first.

So finally understanding some of the lore was great.


Okay so, Elsa

image

Originally posted by foreverfrozensolid

I’m crying. I’m so proud of her and honestly what an inspiration.

Just to watch the first transformation where she learns to accept herself

image


image

She creates the dress and lets her hair down, finally letting her freak flag fly. She still has some work to do by letting people back into her life and learning to love again. BUT! Still progress and it takes a lot to face yourself

image

^^

This moment right here! This is important because Elsa realizes her strength and understands she has importance. She’s being stubborn and determined to fix her mistake. In the meantime she’s beginning to see herself in a new light

image

And then this happens. Bang. That’s Elsa for real this time. Her hair is down completely. And her transformation is linked completely to emotion.

If you compare Elsa created the dress in the first movie whereas she just sings her heart out and is feeling so many things and *magic* a dress appears.

image

Originally posted by de-evilized

She loves herself in this moment. Elsa got the chance to say goodbye to her mother and deal with that grief. Finally all the good emotions have set in and she knows her worth and her care for everyone else. She has essentially reached nirvana and the peak of her character arc.


image

Originally posted by the-dark-remark

And look at this deep breath she takes at the end. She’s finally happy, she finally knows love, and she’s finally home.




__________________________________________

Anywho, thanks for coming to my ted talk and I rate this a 9/10. :)

Well done Disney

Make it a series

162 notes · See All

Segitett az, hogy beszéltem két emberrel, akik fontosak. Mindenki más is az, aki a barátom. De nem akartam a Doriekkal erről beszélni, azok után, hogy múltkor letámadtak.

Beka

Téged meg nem akarlak,akartalak már terhelni az én gondjaim, bajaimmal. Neked is van bőven. ( a randit egyébként komolyan gondoltam )

Szeretlek

2 notes · See All
Agota Kristof, La trilogia della città di K.
Qualche volta, se le persone sono attente, non troppo ubriache e non troppo chiassose, presentiamo uno dei nostri piccoli lavori teatrali, ad esempo la Storia del povero e del ricco.
Uno di noi fa il povero, l'altro il ricco.
Il ricco è seduto a un tavolo, fuma. Entra il povero:
- Ho finito di spaccare la sua legna, signore.
- Bene. Il movimento giova alla salute. Ha un'ottima cera. Le sue guance sono tutte rosse.
- Ho le mani gelate, signore.
- Si avvicini! Faccia vedere! Ma è disgustoso! Le sue mani sono piene di piaghe e di foruncoli.
- Sono geloni, signore.
- Voi, voi poveri, avete sempre delle malattie ripugnanti. Siete sporchi, ecco la vostra disgrazia. Tenga, ecco, per il suo lavoro.
Lancia un pacchetto di sigarette al povero che ne accende una e comincia a fumare. Ma non c'è un posacenere lì dove si trova, vicino alla porta, e non osa avvicinarsi al tavolo. Allora fa cadere la cenere della sigaretta nel palmo della mano. Il ricco, che vorrebbe che il povero se ne andasse, finge di non vedere che ha bisogno di un posacenere. Ma il povero non vuol lasciare subito quel luogo perché ha fame. Dice:
- Che buon odore si sente qui da lei, signore.
- È odore di pulito.
- È anche odore di minestra calda. Non ho mangiato ancora niente, oggi.
- Avrebbe dovuto. Quanto a me, vado a cena al ristorante perché ho licenziato il mio cuoco.
Il povero annusa:
- Eppure è proprio odore di minestra calda.
Il ricco grida:
- Non si può sentire odore di minestra da me. Nessuno prepara della minestra da me. Deve venire da casa dei vicini, oppure si sente odore di minestra nella sua immaginazione! Voi, voi poveri, non pensate che al vostro stomaco; è per questo che non avete mai soldi, spendete tutto quello che guadagnate in minestra e in salsicce. Siete dei maiali, ecco cosa siete, e ora lei sta sporcando il mio pavimento di legno con la cenere della sigaretta! Esca di qui, e che non la riveda mai più!
Il ricco apre la porta, dà un calcio al povero che cade disteso sul marciapiede.
Il ricco richiude la porta, si siede di fronte a un piatto di minestra e dice, unendo le mani:
- Grazie, Signore Gesù, per tutta la tua bontà.
4 notes · See All

Havia demorado mais de um ano, mas finalmente conseguiram. Sempre deixara claro para Kristof que não desistiria de achar a família, os únicos com chances de estarem vivos ainda seriam Dalia e Elias, a ultima vez que havia os vistos fora antes mesmo de ser aprisionada, havia surgido uma forma mais segura de viajar para os Estados Unidos, porém a viagem era casa e só foi permitido que os dois mais novos fossem daquela forma. O plano era se encontrarem no campo de refugiados que Ariel nunca se permetiu esquecer o nome, com esperança de acha-los. Porém havia tido imprevistos, de maneira que sua viagem para o país demorara cerca de três meses a mais do que haviam planejado, quando ela e Kristof foram atrás do local, Dalia e Elias não estavam mais ali. Porém a viagem não havia sido tempo perdido, haviam conseguido informações de que os parentes haviam mudado o sobrenome para Ryder afim de se misturarem naquele país.

Era um nome perdido em um país, difícil de achar mas Ariel não era capaz de deixar de lado, ainda mais agora que sabia que os dois haviam chegado ali são e salvos. Tinha sorte de ter Kristof, o rapaz se empenhou em ajuda-la de todas as formas possíveis, mesmo que tivessem a família deles naquela casa o rapaz sabia que agora os primos eram seus também. As procuras tiveram que dar uma pausa na procura quando o final da gravidez chegou, fora um parto tranquilo apesar das preocupações excessivas das tias e da sogra e o bebê era um menino saudável e forte, de olhos azuis claros como o do marido, mas um tom de cabelo mais escuro como o seu. Gael havia sido o nome, queria algo com significado forte, o daquele era “O que protege” e “Generoso” as duas definições lhe lembravam muito Kristof e a história que haviam vivido juntos.  Aquele menininho era a alegria da família, atração de carinhos do pai em mimos das tias e avó.

Se o destino havia sido maldoso e azarado com ela no passado, agora tentava recompensar. Ainda se lembrava do sorriso no rosto do marido quando ele chegou em casa com os papeis sobre o paradeiro de Dalia e Elias Ryder, que moravam agora em uma cidade não muito longe dali, não demorara mais do que alguns dias para que tivessem partido para tal lugar.


Fazia tempos que não ficava com um medo tão grande assim, e era um diferente do que sentira na base militar, do que sentira durante  a viagem, era um medo de ter deixado a esperança ficar grande demais, de ter se apoiado em algo e agora não ser real. E se as informações tivessem erradas e novamente não encontrasse os primos? E se nunca mais os visse? O marido disse que de qualquer forma seria uma informação importante e estaria ao seu lado depois daquilo tudo para comemorar com ela ou consola-la. No momento ele estava dando uma volta com Leon para dar a ela seu espaço, porém Ariel sentiu falta de ter a mão calorosa dele para segurar em um momento como aquele, ter a mão vazia lhe fez bater de uma vez na porta da casa simples.

O olhar azulado era conhecido por ela, mesmo que metade do rosto fosse coberto pelas mãos pequenas da garota. “É mesmo você?” Perguntou com a voz um tanto enguiçada e Ariel não conseguiu evitar uma risada baixo apesar da visão turva por conta das lágrimas. “É claro que sou, sua tola” Não esperou que a garota abrisse mais a porta para lhe abraçar forte, apesar de ser uma garota de 18 anos a prima sempre fora magra, a fazendo parecer menor do que realmente era, após alguns segundos do abraço forte a deixou entrar em casa para que pudessem falar melhor. “Ficamos sabendo de que seu ônibus foi pego e Elias disse que… Não devíamos contar com as chances, mas eu torcia, torcia muito” Não culpava o primo por aquilo, as chances de estar ali eram milagrosas. “Eu consegui escapar, mas Leon… O levaram naquele dia, eu não o vi mais” Disse em um tom baixo, e apesar das lágrimas da prima ela sorriu “É um milagre você está aqui, é como se tivesse vindo dos mortos. Estou agradecida por isso”.

Dalia lhe contou sobre como Elias havia conseguido um trabalho de meio período em uma fabrica, e que ela conseguia um dinheiro por conta de vender algumas tortas, Ariel agradeceu baixo pelos dois estarem conseguindo se manter ali, apesar de querer ajuda-los caso precisassem de algo. “E tem algo importante, muito impor…” A prima disse em algum momento, mas Ariel acabara se distraindo, conseguindo ver o marido e o filho pela janela, talvez fosse algo importante, mas aquilo era também. “Eu preciso te mostrar algo” Disse com urgência, se levantando para abrir a porta e fazer um sinal ao rapaz “Eu tive um bebê”. Por um momento o rosto da prima ficou branco como um papel e os olhos dela se encheram novamente “Quando foi pega..? Ah não, não, você devia ter ido comigo eu…” Mas Ariel segurou o rosto dela para que se acalmasse. “Não, não foi assim, eles não me machucaram. Esse é Kristof, ele me salvou, não estaria aqui se não fosse por ele. Não consegui não me apaixonar por ele” Disse segurando a mão do marido para estimula-lo a se aproximar mais. A mais nova sorriu, não tardando para dar um abraço no loiro e agradece-lo sem parar, em seguida foi em direção ao carrinho de bebê, dar ao pequeno Gael a atenção que devia.


Era final de tarde e mesmo que soubesse que teria que falar aquilo tudo novamente quando o primo chegasse, explicou para Dalia como havia sido a jornada e como estavam vivendo no país, a garota estava feliz por estarem confortáveis e Ariel ter achado uma nova família ali. Não demorara muito para que ouvissem o barulho da porta se abrindo. A morena nem esperou que o rapaz estivessem em casa para ir ao seu abraço, afundando o rosto no pescoço do rapaz mais novo que continuara duro por alguns segundos surpresa pelo reencontro.

Porém a surpresa do garoto não chegavam nem aos pés da sua quando levantara a cabeça e percebera que Elias não estava sozinho, Ariel se separou pensando que a mente estava lhe pregando uma peça maldosa, porém quando viu que não imaginou que iria desmaiar por um segundo. Ali estava um senhor idoso, os cabelos totalmente brancos e pele cansada, porém os olhos claros vivos, olhos como os seus.”Vovô?” Chamou em voz baixa, ainda descrente, parecia que o destino realmente havia feito as pazes com ela.

1 notes · See All
Next Page