Tumgir
cris7in4kus73r · 6 days ago
Text
Fico FICO. Não consigo acompanhar a marcha do progresso de minha mulher ou sou uma grande múmia que só pensa em múmias mesmo vivas e lindas feito a minha mulher na sua louca disparada para o progresso. Tenho saudades como os cariocas do tempo em que eu me sentia e achava que era um guia de cegos. Depois começaram a ver e enquanto me contorcia de dores o cacho de banana caía. De modo q FICO sossegado por aqui mesmo enquanto dure. Ana é uma SANTA de véu e grinalda com um palhaço empacotado ao lado. Não acredito em amor de múmias e é por isso que eu FICO e vou ficando por causa de este amor. Pra mim chega! Vocês aí, peço o favor de não sacudirem demais o Thiago. Ele pode acordar.
- Torquato Neto
0 notes
cris7in4kus73r · 6 days ago
Photo
Tumblr media
112 notes · View notes
cris7in4kus73r · 6 days ago
Text
Dias não menos dias Chora-se com a facilidade das nascentes Nasce-se sem querer, de um jato, como uma dádiva (às primeiras virações vi corações se entrefugindo todos ninguém soubera antes o que havia de ser não bater as pálpebras em monocorde
e a tarde pendurada ro raminho de um fogáceo arborescente deixava-se ir muda feita uma coisa ultima. – Ana Cristina Cesar,
0 notes
house-ad · 3 days ago
Text
A journal app where words are optional. Check out Day One.
2K notes · View notes
cris7in4kus73r · a month ago
Text
meio maio pro fim
22/5TALVEZ A SEDE DE expectorar o diferente só faz evidenciar o normal dever de conhecer dissecar o normal definir o normal para expeli-loamortecer a queda com o rosto o principio da inconsistencia  23/5acordei atrasada esqueci o despertador acordei como quem acorda num tiroteio mesmo nunca tendo acordado num tiroteio mensagem da coordenação ''e ai'' levanto a roupa que separei nao me cabe mais estou com pressa estou perdida lapso de memória é  quem guia preciso ser discreta perdi uma aula no fundo queria ter perdido todas mas trabalho é trabalho e trabalho é compromisso toda hora vontade de mijar estiquei duas uma depois de me vestir maximo possivel no discreto basico com aquele toque da minha persona que visualmente me difere do que acho convencional em mim ninguém liga eu sei mas ligo sei lá frio fome e confusão N pendências de compromissos que sei que estao em aberto, mas nenhuma parte de mim tem interesse em executar - é  mais forte que eu , se eu nao quero, vou acabar nao fazendo. deixando no silencio indepentende deixando bem de baixo da cama onde nem o sol alcança vi gente rindo vi gente triste duvido dos alegres - ao vestir a roupa que me protege visto junto a persona, a persona diz com o corpo ''eu sei o que eu to fazendo e onde quero chegar mas nao vou me desdobrar nem fazer o impossivel, a justiça deve agir de imediato, trocas e acordos, compreensão e paciência, vc nao vai gostar de tudo, entenda isso, o discurso é poucas e o papo é reto. em suma, foda-se'' = pelo menos é o que acho que tento manter/ cheiro a ultima antes de sair saio correndo quase atraso pra segunda aula ontem fui dormir tao cedo q era tarde demais to sentindo pedras de acúmulo se formando dentro de mim de asssuntos nao resolvidos ou mal interpretados, preciso resolver, pra isso, tempo pra mim, só eu solo, nao penso mais em me matar mas nao me importaria de morrer do nada por ai com isso digo que o que faço tem consequencias e delas só tenho a consciencia, o ato preventivo ou simplesmente o não ato é outra historia aulas estranhas mas vesti a camisa do fodasse - alunos fogem pra mim pq o fodasse é generalizado varias advertências- eu deixo to só no aguardo de tomar no cu - esperando a minha, hilário era o pedrotanta coisa pra fazer pra mim já embolo tudo me perdi essa semana pergunto em agonia onde esta o meu passado, É tudo sempre igual os ciclos os fds e as segundas os humores os estagios- e ainda nao decidi o que fazer com isso eu eu eu ue ue ué - up my sleeveso flow o fluxo baguncei me esqueci - tudo em mim que é novo funciona devagar como se precisasse colocar em teste com 1234 etapas ate a implantação eu nao quero envelhecer pq acho que vou envelhecer mau, tipo memoria fodida, cognição fodida assim o corpo, etc os mais importantes, fodidos por consequencias de atos caros e momentaneos, entre prazeres e desprazeres - o importante é parecer que eu sei o que to fazendo - isso pro ser humano q observa traz confiança e abertura pra ser manipulado, tudo o que eu preciso + conteudo coerente. Preciso me conectar comigo (a frequencia disso é  absurda, o que isso de fato significa?) e usar da minha vivencia pra somar. me dói dói dói - ainda nao achar uma formula sequer que dure pelo menos um mes - nao faz nem dois meses que to nesse trabalho - tenho questoes a acertar comigo, é sempre a mesma historia - com preguiça só espero a proxima mudança, o proximo dia, o  proximo mes,  esqueci minha garrafa dagua - horrivel - nao sei o que é importante nem pra mim vou saber pra eles *interro*, acalma bicho, pra isso existe a pergunta, nada falta em mim, tenho até coisa demais, e tudo tá bagunçado - quando retorno a orbita me sinto mais um pouco - wasting my life in altered states - preciso de + ação e - pensamento (+ fazer e - preciso fazer )Conversas com meu pai - levo tudo a serio demais, menos eleDecido depois de duas semanas pegar a bicicleta e descer pra academia - como se fosse um ato magnanimo obtuso de extrema demanda energética e talPode nao ser mas o sentimento q causa é usurpador - o ar me falta nessa cidade de carbono - No verde reclamei - No cinza reclamo Em tudo derramo, nao tem jeito Testo meus reflexos nos caminhos nos caminhoes nas pessoas caminhoes testo meu impulso e qualidade nos farois vermelhos e nao ligo nao ligo de um monstro colidir em mim a culpa vai ser minha aka o monstro sou eu - a gente brinca tanto com as vozes que nao param a gente brinca tanto com se matar na brincadeirinha hoje na sala ouvi de 14 anos “aquela sacada é perfeita p se matar”. Silêncio por fora Ruptura de sangue e muco por dentro incógnita Por que só eu nao consigo ver o que faço e sou se todos outros conseguem Tudo é sempre sobre mim quando escrevo se falo do outro é porque o outro sou eu - tudo sem acaso e em putrefação, tudo é tanto que não é nada / nao encosteEmMimDeixo Inconclusões de propósito A lente que uso está me cegando Nao tem nada mais vivo que a morte, nada mais popular, tao popular que nao se leva a serio e nem sabe lidar -tipo folclore O cronos a responsabilidade e o controle estao enraizados em mim como palavras talhadas em pedra rupestre que atravessou os séculos pra se conectarem Me cobro mais que banco crediário Me exigo mais que sargento pai que treina o soldado filho Teria eu no meio de tudo que ja vivi uma pista de fórmula de liberdade? Preciso de novas perguntasParei na rua pra escrever Culpo o monóxido de carbono etc pra deixar mais pro fundo a ansiedadeDesejo de enfiar a mao e arrancar meu coração Poucas imagens se formam em minha cabeça Me atropela, agora sou a flor que roumpeu o asfalto cinza do drummondSintoma: dodói: citar algum poeta bocó e falar de morte, Macaco existencial, o próximo passo é a tristeza, ja sinto. Sera eu criando essa realidade comportamental ou apenas percebendo o que de fato está acontecendo? Na mente na mente na mente THE END IS NEVER THE END THE END IS NEVER THE END THE END IS NEVER THE END Olho pro chao e vejo meus pés, devo eu mesma fechar as portas que ficam pra trás Me atropela, me rouba, me pisa, me afeta: preciso de novas perguntas ———-Acho que nao sei ser livre “”I dont care about the narrative I m dead””.Sou puro acúmulo. É o que tenho
0 notes
cris7in4kus73r · a month ago
Text
tdpnr22m4eo a061d h4 2d5i0 11cie1a 
11 MAIO 2021
 · Compartilhado com Público
Carta pra mãe tua despedida ecoa na minha cabeça emerge do poço fundo das memórias vivas a vida fracassada e o amor platônico lateja na minha cabeça sua despedida não só de nós como do mundo, sua despedida da vida a liberdade de antes não é a mesma de hoje a palavra 'mãe' pra mim, ainda está morta e a cada data de passa é esmagada a barra do tempo fixando a certeza de que nunca mais vou te vivenciar (encontrar)há três anos você partia e partia o coração o grande coração que eram as pessoas que faziam parte da sua vida eu te amo é muito incompleto perto que eu preciso te dizer hoje eu entendo que aquele abraço era despedida pois foi o último e doeu foi um abraço de falso alívio, você só queria que a gente te deixasse em paz pra você consumar seu desejo eu besta, há três anos desejando anular essa data e toda carga que ela pesa o marco da minha vida e da tua morte eu não sei se mudaria alguma coisa, não gosto de pensar assim, mas querer te manter no mundo parece muito egoísta da minha parte ao prolongar seu sofrimento mas ter ido como fostes plantada está a semente da ausência (falta)acho muito egoísta da sua parte mas parece que no fim é isso né, vivemos cercados de amores, criando 'pra sempre 's e promessas até a corda estourar e ficarmos sós ficamos sozinhos e fazemos nossas escolhas sozinhos entramos e saímos da vida sozinhos assim ficamos sozinhos e fazemos nossas escolhas sozinhos Não acredito mais em caminho do meio a solidão pode ser tão espessa que ofusca a presença dos afetos dominados nos rendemos eu não te culpo nem me culpo ou culpo ninguém eu até entendo e sinto muito e sinto muito sua falta se eu soubesse que aquela era despedida eu teria ficado mais pra fazer durar mais pra quem sabe te ter por mais alguns instantes Mãe, hoje eu escrevo diretamente pra você e agora é tarde demais pra te dar orgulho, pra te dar razão, pra te agradar tarde demais pra dormir no seu colo, tarde demais pra dividir contigo eu não vou mais tentar passar reto por essa data é muito maior do que eu, incontroláveL quando conto de você pros outros, é história quando é só eu e você, é memória ferida estou com o corpo e mente cheios de dores não sinto preocupação meus medos se foram hoje eu sou só nostalgia triste daquela que não consigo desviar é muito maior do que eu e é tarde demais pra aprender contigo ou te ensinar coisas novas tarde demais pra te oferecer ajuda aqui, estamos vivendo uma calamidade dá um certo alívio que você não estar aqui, porque tu surtou na época da gripe suína no covid você ia enlouquecer e essa sou eu tentando pensar positivo .Esses dias morreu aquele ator que você gostava aquele que a gente foi assistir no cinema foi o único filme que você não dormiu mãe, valeu por ter existido eu vou parar por aqui, porque a vida passa num piscar de olhos e e essa dor que eu carrego é problema meu a vida acaba mas enquanto eu puder te amar, eu farei nos vemos nas memórias por aí.um abraço da sua filha eu era uma pessoa melhor quando você estava aqui
Curtir
Comentar
Compartilhar
0 notes
cris7in4kus73r · a month ago
Text
maio
25.4 cansada, cansada, sempre no cansaço que me acabo e entro no lixo de mim no pior de mim no âmago de toda incapacidade - sorrisos são utópicos o choro é como um prece, que eu deveria recorrer mas nem sempre tenho créditos comigo mesma, numa névoa gelada busco entender o que tanto me mata lento puxando a cara pro chão, com todo o peso que é capaz, busco desculpas invento respostas pra justificar o tempo passante e nada nada nada é importante de verdade não preciso de nada disso se eu soubesse do que eu preciso eu não estaria onde estou eu teria um olho a mais - pois - é preciso o estado triste é preciso estar eu sei reconheço (me falho e insisto) nada repara a dor que sinto de tão abstrata no espelho insisto mas não sei quem sou sei apenas que estou triste estou sem estou longe quero esconder-me de tudo e tocar fogo em tudo inclusive em mim - quem me consola são os mesmo vagabundos de sempre como vícios - ao povo à preguiça - queria dormir até morrer - tenho falado muito em morrer, isso é a concretização de algo, o que é real: quanto mais perto e constante a palavra está mais distante é o pensamento - faz tempo que não retorno ao mórbido, sinto mais de 300 razões me segurando - por mais triste que eu esteja, por mais devedora que eu seja de mim mesma, inquilina atrasada - por mais cansada e sem visão, por mais desconhecida de mim, por mais desalmada por mais renegada por mais frustrada, por mais derrotada desde já, por mais que o coração pese mais o que eu consigo, as vezes, carregar- aqui permaneço ainda olhando pro verde e respirando as pobres partículas oxigenais que brotam por essa cidade de lixo e luxo - por hoje, i would prefer not to. - NÃO SEI PRA ONDE IR NÃO SEI PRA ONDE VOU ''E o meu ser se esgota na procura patológica Do que nem sei o que é E esse é Não há nunca Em parte alguma Prazer algum Mantra mito nenhum Que me baste.'' salomao sinto dificuldade em me organizar no espaço tempo - of NOW YOU, CAN JUST KEEP EATING SHIT. MY DUMBASS YOUR MY SHIT EATING JUST KEEP madrugada 27.4 Quem é isso que te olhas no espelho e pouco vês, sem retorno/há dor e labirinto, sem fé ou luz- mesmo que o espelho reflita ele não é a transparência do ser “nao me pergunte quem sou nem me peça para permanecer o mesmo” quando um cachimbo é a representação de um cachimbo; logo, o eu visto é a representação do eu já não mais legítimo- a negação da morte- os estágios do super homem sem a desculpa de que deus está morto, a questão nunca foi essa, mas na intenção do humano que se supera, mudua / ansur como sigilo facilita a comunicação e a cognição, espero tanto que não desejo mais nada : hoje sou ilha imóvel com uma pessoa sentada sem trocar uma palavra nem em pesamento, com pés de concreto: alquimia da areia e água/ no aguardo, sempre no aguardo do próximo dia / mas tu nao morres Carlos, tu és duro “dentro de mim há uma patológica busca sobre algo que nem sei-“ parafraso todos ignoro tudo cansada desisto do dia ainda em relutância - as fases dolorosas do labirinto tem sombras frias / sinto o vazio a ser preenchido; mas não é qualquer peça que se encaixa // nao me diga que nao envelheci pois envelheço constantemente bem como tu, amargo como tu me prendo como tu me canso como tu abro as mãos para lavá-las e livra las de tudo que não alcanço porque não quero, e basta eu não querer 08.05 - dia das m?a?e?s? _a palavra nao suportada_devido a ausencia nao superada.docx sou a presença ausente no canto da sala mente que pensa boca que cala olho diz que tudo vê o ar não entra direito nem esquerdo - não sei se é postura ou ansiedade, e qual a diferença? hoje tive entresonhos, não sei afirmar se aconteceu fora ou dentro da minha cabeça certos diálogos - me incomodo, mas acho que me incomodo só porque quero me incomodar. ''qual a diferença entre um terrorista e um teorista?" um sonho: ser animal, aniquilar os pensamentos racionais esquecer da morte, no lugar de ora sonegar ora desejar muito - passar muito tempo dentro da minha cabeça dependendo do movimento me puxa pra mais perto do abismo ou buraco, dá na mesma, nessas caminhadas sempre me deparo com esse vazio, de como somos vazios, como é oco o cerne, como é inexistente a essência, o que nos difere ou torna humanos é um nome e uma história, parece ser de fora pra dentro o movimento da existência .+. só (agora) existe em mim um desejo de ruptura gigantesco, quanto mais me enrolo em mim mais ele aumenta - a ruptura pra um novo, um novo inexistente e inabitado um novo desconhecido, no final minha vida até agora acaba sendo isso, iniciar caminhos - dar tudo - esgotamento - fuga - iniciar caminho. Acho que se eu tivesse uma balança poderia fazer melhor, relógio já não pode; quem sabe um escorpião. romper com caracteres minha angústia não garanto vida não me comprometo com o que não conheço sempre quis engolir tudo pra adiantar o fim
09.05 sinto a besta estúpida se lambuzar no exagero errante como sempre sugadora de momentos usurpadora de futuros aniquiladora da paciência, (paciência seria a ciência da paz?) estes jovens estão malucos, ei que isso-pera aí, sou jovem também, sou (?) -penetrada no momento e no desejo de sugar tudo que se compreende amor até esgotar e partir pra dor e pro próximo alvo, parece sim, antropofagia, ontem eu desejei ser uma animal, hoje sou e reclamo - nunca sairemos 100% sempre teremos uns pés atrás, indecisa dependente dislexia auto difamação  ----- o tempo passa mudam os nomes os buracos aumentam a pele cai e estica ficamos mais desfigurados uma vontade presa de chorar, um medo presságio ou só vontade de não viver. viver dói, viver é caro -  escrevo pra chorar - quando consigo segura e respira animal, tu és triste e carrega um coração triste, isso não é condição, tem mais cara de direcionamento de energia e pulsão hoje dois jovens tiraram tarô pra mim, cinco cartas, me disseram que estou passando por muita turbulência interna, uma perda, que preciso me organizar pra direcionar e distribuir energias boas pois é uma das minhas funções, que tenho dois caminhos, os dois são bons mas só posso escolher um, que uma luz entrará na minha vida estabelecendo e confortando tudo, que tudo que está em processo será estabelecido, usaram muito essa palavra, os arcanos eram conhecidos, a parte que mais gostei foi a interpretação deles, um tarô bonito antigo egípcio, só consigo ficar inerte e dar passagem às lágrimas que nojo de melancolia toda vez é a mesma coisa o mesmo engodo parece novela - detesto engolir padrões, detesto não me aceitar, detesto a disfunção, detesto
0 notes
cris7in4kus73r · a month ago
Text
tropeços de março à abril
4.3 Nao tem como viver um dia bom sem um dia ruim As quedas sao inevitaveis Me preparo Como não há alvo o sentimwnto generaliza e vai pra todos os cantos tudo é mole e cinza e sem desejo nem vontade Nada machuca mas o ar falta Tudo tanto faz Nada de novo sob o sol Espero o hoje como o oposto do que vivi ontem Ao natural Essa ideia de “odiar”minha mae ja tem me libertado e trazido mais lucidez, mesmo eu nem tendo “começado” isso objetivamente Hoje sai da academia no desespero, ar pesado energia pesada eu só queria ir embora esperar me agozinando enquanto a chuva cai e meu pai levanta pesos voltei pras cenas de criança quando minha mãe me levava pro trabalho e eu agoniada esperava brincava com o tempo objetos coloridos tentavam me distrair enquanto o relógio dobrava e o cansaço dominava os rostos de todos os que geravam dinheiro praquela maquina, do nada, o ato de esperar Nao tem como fugir da equação, um dia bom gera um dia ruim e ainda bem, pra mim faz sentido, somam as partes nada se anula nada é de graça por tanto nada é à toa, tudo há de ter um propósito, mesmo que seja o resguardo e repouso, a acídia. Inicio de cronica cronica ?¿ Nao tenho duvida nenhuma de que tudo seria mais facil se eu estivesse morto; mas no caso não estou Nota se mudança de comportamento na alimentação mecanismo de defesa pra comer menos A precisao de um colo eu no centro braços a minha volta posição do feto necessitado, dores e amores tudo fora do meu alcance e choro, choro pois sou isso, a mescla hoje de arrependimentos e esperanças Sinto que não deveria te agradecer tanto, mas ainda faço, sei que nao preciso pedir tantas desculpas, ainda o faço, “não é de um dia pro outro que largaremos as ideias avós que nos criaram” Nao sei se é carência cansaço pu tristeza, talvez a tríade reine, tudo ao mesmo tempo agora, vontades miúdas ficam gigantes em suas sombras e nada sobra de real pra contar história no dia seguinte Encho a cabeça de droga e me encontro cada vez mais, a lucidez tem criado raiz e eu cada vez bebendo mais calma, nada na vida mudou, nada apazigua o caos de estar vivo, mas percebi que reagir à vida é produtivo, produtivo pois te move por milimetro que seja, ja ta valendo Me sinto fria Me sinto fria e cinza Me sinto fria cinza e cansada Me sinto frio cinza cansada e calma Me sinto De hoje não passa, tudo ja passou, é hora do amanhã To achando esse nosso relacionamento tão sem graça, mas ja vivemos isso, sepa sou eu, mas é sempre nós, isso passa, só um momento, tudo pra mim ta sem graça, os momentos de graça duram frações mínimas e geralmente estou em estado alterado
  8.3 daí pegamos e vivemos todo o contrário, só pra provar que os sentimento passa pela lente que se escolhe - não escrevi não fui justa em dizer que tudo estava assim e que o amor e o ódio são gigantes pulsões propulsoras mordi minhas palavras como um pixador frente ao policia morde o rolo de tinta por obrigada humilhação a apatia é tanta que se derrama em todas vertentes e direções, cimentando limpando o pixo, tirando o brilho e a identidade sinto que o tempo foi até que bem gentil com a gente 24h + umas de convivência, tanto eterno coube nesse curto espaço, tantas portas e janelas se abriram, tantas foram as sementes plantadas e as já nascidas regadas, tantos foram os tijolos fabricados e somados à construção, tantos rumos e sins e nãos foram decididos, tantas ideias afetos fluidos trocados, tantas as declarações, tantos os desdobramentos foram, além de tudo que é impossível colocar aqui, e o desejo de que dure pra sempre acontece, pois aconteceu, isso em nós já é eterno. e se queres falar fale mesmo pois ouço com a alma cada palavra a sustentável leveza dos seres, vivo com ferrenha liberdade e realidade, não desejo voar, nem sonhar altas alturas, são nessas viagens que as quedas são duras o pixo. esperança na mente humana em ser e estar. outra ideia de cronica a historia de uma senhora que tinha um amigo imaginario e ese amigo era deus aka esteriotipo senhora brasileira cristã aka prova de deus como figura de linguagem personificação de medos ou necessidades   I could see no compass before me to steer by. Moby dick um dia é muito longo dá pra fazer muita coisa dentre elas o nada ninguém precisa nada faz se quer não tem que to cansada tive uma crise de ansiedade, com medo e não identifiquei origens nem motivos, e me percebi desapegada a isso, porém não fiz nada a respeito depois também, to deixando o tempo passar e não penso porque to cansada, tudo culminou naquilo que eu nao consegui segurar, tudo é muita coisa, e tá tudo mas vejo que quando a dependencia emocional aumenta é um sintoma eu quero morrer a noite hoje nao quero construir mais nada entender mais nada pensar mais nada sentir mais nada ser mais nada único desejo é morrer-me silenciosamente ''too wierd to live too rare to die'' Amor odio e indiferença Repaission +* A indiferença é a cura do ódio A indiferença é a doença do amor Odiar pra descobrir o que ama Amar pra se construir Odiar pra se descobrir O que ama é o que se é, ou pelo menos, o que quer ser O que se odeia é reprimido e desentendido, confuso por isso atacado Amor se disfarça ódio não A saúde de tudo é mantida pelo amor e pelo ódio O amor mora no imaginário e no simbólico, é medido pela intensidade, a capacidade transformativa Pensando em Nelson, Pouco amor não é amor? Talvez não mesmo, se entendermos que o amor é um afeto potente que assim como o fogo deve transformar seu redor, pouco fogo não causa incêndio, pouco fogo não destrói (destroy to create) O ódio mora no simbólico e no real, medido pelo possível e o impossível, guiado pela idealização, cheio de expectativas e ataques por defesa de si próprio, menor desejo é se tornar algo que se odeia, o que é quase inevitável, exceção pra quem se deseja isso mesmo, tem momentos que o odio é pela vida e se busca ser detestável Nós como humanos maltratamos muito o odio durante toda história, um pecado, algo feio, deve ser suprimido, jamais sentido- vejo nisso uma das causas de tantos crimes e atos de ódio executados por nós mesmos e contra nós O odio é necessário para o desenvolvimento do ser, é o corte no cordão umbilical Amores não sobreviverão aos desastres se os amantes não abraçarem a realidade caótica do odio sincero e expô-lo A moça disse que os traços ssao perfeitos amou minhas tatuagens ficou pasma quando eu disse que faço eu mesma - o mundo é diverso em opinião, ainda bem No mundo na rua é mais facil encontrar gente de bem com a vida do que mal Dificil nao se contagiar com algumas levezas 16.3 Tao dificil um homem me chamar atenção na rua, meu olhar é muito araido por mulheres, sempre fui gay mas tenho andando mais, acho que pela liberdade dentro do relacionamento q estou, são atrações mas nao desejos, manifestação pura, nao preciso de mais nada alem de suprir meu voyeurismo, me reapaixono pelo otavio inumeras vezes, gosto. Mas entao, hoje acho que vi um dos homens mais bonitos do mundo, nao era meu pai, nem meu irmao, ele tava saindo da loja de artigos de candomblé, tatuado camisa social azul aberta no peito tatuado saiu acendeu um cigarro de chapeu olhou pra dentro e sorriu e riu barba grisalha tatuado, que homem lindo, olhei e fiquei olhando com meu disfarce, olhei de novo vi algo em volta dele, como um plasma, tava protegido, nao veria ninguém como nós, estava sendo dirigido por outro tipo de energia, brilhante, acho que essa beleza atrativa faz parte do show, que homem, que entidade, fiquei surpresa por ter me chamado atenção terapia gostosa, signo é o que cada um interpreta e o símbolo é o que é, a imagem, que proporciona X interpretações planet caravan We sail through endless skies Stars shine like eyes The black night sighs The moon in silver trees Falls down in tears Light of the night The Earth, a purple blaze Of sapphire haze In orbit always While down below the trees Bathed in cool breeze Silver starlight breaks down the night And so we pass on by the crimson eye Of great god Mars As we travel through the universe 17.3(((AMOR O VITOR DISSE que nao vai falar contigo mas aquer falar contigo ficou puto por ainda nao ter falado, mas que ta aberto a te acolher, p raul ja quer que isso passe,  e que a gente volte a ter role, a gente se ama, ele ta esperando vc vir falar com ele, mas eu disse que sua materia prima é o tempo, ele entendeu e valorizou, entendeu))) ok 19.3 Amor Quando suas emoções tao definidas vc é mais decidido nas escolhas, nao tem duvidas 24.3 sinto que quis tanto abraçar o mundo e saber de tudo que me falta extensão tempo espaço mental pra ser correspondente desse flerte conheço esse impulso epitáfio onde me mato e mato tudo antes do primeiro ato levo tudo comigo e o caixão é encoberto de frustração e sufoco ainda sim a perspectiva me salva de um ponto olho distante e algo no horizonte me acalma - é só impulso obsessão é o pensamento compulsão é o ato se eu nao movimentar eu caio o relativismo das opiniões alheias sobre meu trajeto e escolhas até aqui só torna mais concreto o XXXXXX codificar pra decodificar reconhecer que está codificado para decodificar meu processo de humanismo de mim mesma se encontra em divergência a tosse do meu irmão me incomoda não tem ritmo a demora dos outros me incomoda mas se eu penso que cada um tem seu ritmo aceito e acalmo não funciono sem minha fração robótica que tanto cultivei durante minha vida acho que só tenho escrito quando estou à beira seja lá de qual lado do precipício eu quero muito conseguir agarrar tudo quero muito que ''a sorte esteja do meu lado'' quero muito ser ouvida, mas antes disso quero muito saber com clareza e didática o que tenho a dizer quero muito ter o que dizer antes que eu solte minha própria mão sou emocionalmente extrema como um interruptor o caminho do meio é o ziggy zorg se eu parar eu caio e tenho a consciência de que vai ter uma queda da qual não vou me levantar   então choro pra quem é do choro e tempo quem é do tempo me descobri um ser social, meu deus (a fig. de linguagem), eu sou humana apenas humanum est, é tudo que consigo digerir, já se foram 25 translações e esse fato ainda é imaginário - claramente muito real ! senão eu seria apenas uma consciência (em fases foi o que eu apenas fui) + acontece que não realizo a sinapse da minha vivência ao fato do reconhecimento do ser humano a lógica nos abandonou muito antes de cristo o cú é o único símbolo de controle inconscientemente mais próximo do palpável não quero terminar esse texto preciso de carinho, carinho que me compreenda, um carinho no silêncio como abraçar um gigantesco quartzo rosa debaixo do sol me perder no tempo me reerguer em energia o espelho me mostra o que eu quero ver e me confirma o que quero que os outros vejam - minha manipulação e performance se aprimoram mascaradas de uma calma e presença atualíssima, a ansiedade que me espreme gerando questões do futuro e me obrigando a encontrar as respostas talvez no dia que eu conseguir personificar esse transtorno eu ganhe de 1 a 2 pontos de autonomia falta tempo pra me exercer solo e livre - sem obrigações, a manutenção de mim o ser social é um ser altamente esgotável, requisita manutenção constante dei apenas 4 passos ainda acredito em darwin (algumas coisas) o que corre nos canais lacrimais é medo minha ficha de jogador é detalhada e me guia o fantástico me distrai e mesmo assim nunca é meu objeto de vivência só um mecanismo de auto engano assim como minha liberdade aberta de encher a cara, do inicio da tarde ao final da noite todas as noites busco kant com seus juizos, kant garante *charada* eu fragmento como um renascentista desbravando a profundidade de um quadro metade de mim deseja o raso do lago monocromático bidimensional a outra metade constrói catedrais na regra de ouro tão mecânicas e barrocas quanto a proporção áurea eu só quero que o tempo passe o todo dessas metades é irresoluto e desnorteado a ansiedade é o arquiteto técnico o contrabalanço ainda não tem nome, talvez chamarei a priori de ataraxia serro os olhos como quem cansou curvo os ombros como quem esgotou olho o que acho que sou e afirmo a mim que estamos juntos arcano prazer ontem saiu a carta dos amantes, le choix as escolhas. eu deveria tomar um banho sinto tristeza com noticias tristes de vidas alheias e sobre o que somos e o que achamos que somos é só uma questão do estádio de espelho espero que um dia que isso me traga paz ou que eu pelo menos desista mesmo que esse dia seja o último, nele me deitarei no campo de lavandas frescas e assim sumirei pra todo o sempre em frescor e despedida sutil desse infinito sinestésico que foi minha existência estou tentada de fazer do pentágono um pentagrama // 25.3 Meu ego foi maior do que minha responsabilidade Maquiagem nenhuma esconde um cansaco Sorriso nenhum mimetiza uma tristeza Postura nenhuma esconde uma medo Desculpa nenhum anula uma decepção A auto cobrança é mais alta onde nao não conheço território O tempo é bem menor do que parece Nao passa rapido, só e muitolti ocupado Ando nine of ten Trauma Adaptação Muita informação Cansativo Gratificante Exercício Vivência Integração Motivação Medo Perdas e ganhos valorizações Ocupação Sentido Coerência Realizador Pancada Humano Aventura Desbloqueio e persona Gratidão Expansão Trinca Pular Concreto Gigante Presente Vc esqueceu do que? Eu num lembro Ele viu um fantasma Eu estados alterados O ego baixa as rédeas Somos o que quisermos ser O desabafo deve ser distribuído pela rede de apoio Acho que estou com cáries Expansões Descuido Orgânico Ação Reação Meu tio foi preso Situação esquisita mas aparentemente injusta Foi transferido pra prisão do centro por causa de um motor x de uma moto x Minha vó chora E repete todas as histórias E manda os outros embora Com amor e comida Tinham tantos outros motivos dele ter sido preso Me sinto livre Gosto das cores que misturei Da falta de compromisso que o abstrato tem Como pink floyd é bom -entre outras coisas Sinto que to tomando formato pra mim mesma, fiquei mais nítida de se viver 26.3 eu sinto a falta dele fico triste mas existem as duas vias as ações que dependem mais de nós e as que dependem menos de nós as que nos detem poder são escolhas escolher é sempre abraçar algo e dar de costas pra outro nem sempre baseadas nos desejos maiores ou nem sempre os desejos maiores são os desejos expectados sinto a falta e ela pesa me entristeço e sei que devo suprir com algo é um buraco reservado pra ele, porque ele sabe lidar bem com esse buraco como um cuidador voluntário e solícito de um ser em algum grau debilitado - todos temos uma parte minimamente capenga e carente, senão, não seria humano, senão não seria social constante nome grande presença que quando falta, pesa é importante ultimamente tenho sentido falta de uma porção de coisas, e elas acabaram caindo no colo de OA por ele ser a via mais real, presente, concreta e possível a suprir quase toda minha carência ou seja, o que lhe diz respeito de fato é bem menor do que o que sinto não quero perder isso de vista, não mereço cair no mesmo buraco onde machuquei meus pés Não quero jogar lhe o peso de um mamute numa formiga esperando que ela ande e ele não pese não escolhi direcionar essa carga, não consensualmente sinto dor e quero chorar, horas esperando acumulo de dias de falta faltas minhas, reais e imaginárias, e somente; Minhas minha cabeça dói nenhum som me agrada sinto chegar a pressão auto cobradora em usar essas horas pra executar meus compromissos, que agora são além mim, me deparo novamente com os Amantes, os dois caminhos, um único corpo, segundo a física, não consegue estar presente em mais de um lugar ao mesmo tempo, eu acredito na física, sinto ela em tudo, tanto quando caio ou algo me cai das mãos e o chão engole, quanto o peso do meu próprio corpo, a velocidade que alcanço se projetar uma força numa direção etc muito além desdobramentos da alquimia Refazenda pod poc eu sou egoísta, eu queria ele só pra mim, só pra deixar esse buraco um pouco mais esfumaçado, ilusoriamente leve, temporário, já me serve, um alívio, eis a tão xingada dependencia emocional não me preocupo, esse texto é a concretização de grande parte dessa de despreocupança, ele diz que está vindo tudo já era esperado ninguém prometeu diferente, não combinamos nada além do que aconteceu estavamos cientes de todas as possibilidades e mesmo as nao visualizáveis tavam ali, sempre damos espaço pras acrobacias do acaso (acaso é a margem do caos) não posso me esquecer que eu gestei essas faltas pesadas e deixei a chuva erodir ainda mais o buraco, OA pouco tem a ver com isso, é só a vítima da vez, que perdura comigo, ainda bem comendo porque tenho que comer vontade de vomitar tudo na hora estou cheia de vazios Farta mesmo, banquete em gigabite Nem as lágrimas não tão mais cabendo aqui e ta tudo bem - eu escrevi pra ele que tá tudo bem, que tem coisas que são maiores que nós por trás de um choro em texto com perdidas ações incompletas semi coerentes semi delinquentes o suicidio toma distancia e se torna mais abstrato quando tenho compromissos com pessoas tenho compromisso agora com mais de 100 vidas jovens ácidamente divertidas um sentido se eu organizar direitinho, posso distribuir essa carencia no momento não me sinto capaz de fazer nada não que eu tenha feito, mas agora só consigo digitar lágrimas tão pesadas deixo tudo incompleto, ilustração do que sinto ele perguntou se eu to bem a pergunta proibida banida em estados de alta precipitação como esse que me encontro nuvem ele chega em 19 minutos eu imóvel uma cadeira sobre uma cadeira água salgada na comida a física nunca me deixou na mão em honra a essa lucidez solto os cabelos pra me esconder limpo o rosto reabasteço a agua do corpo levanto e recebo faltam 16 minutos respondi não tou legal não, mas ta tudo bem eu nao sei no que me transformei nesse ultimo ano de vivência mas eu gosto dessa fortaleza - ainda não sei os perigos dela acelero a mastigação ignoro o indesejo manipulo me reintegro-me totalmente holográfico me sinto consumida, como se essa falta fosse também falta de energia, que doei ilimitadamente essa semana preciso me recuperar não preciso de ninguém pra isso, nem do Oa mas é tão mais gostoso com ele ele tem umas chaves que eu não tenho, que me ajudam eu queria muito ele agora faltam 9 minutos já desejei muita coisa hoje já desisti de muita coisa quanto mais longe do real chega mais vou abdicando conheço minhas andanças, tenho cicatrizes que ainda doem o tempo me deixou mais sensível, tenho me importado em sentir  menos dor faltam 6 minutos a comida fria desce querendo contrariar a física e não posso ignorar, que hoje sou parte consequência de quem fui ontem literalmente _\|/_, beware. 28.3 Segunda feira To sentindo um fedor Chorei pra dormir Talvez eu desista Talvez não Cólica intetinal de café com ansiedade O sinal não bate Lido com pessoas Seja um homo sapiens e mantenha sua postura Escrevi na lousa Só consigo pensar em como todos meus relogios adiantaram juntos Recordação 2015 https://arteref.com/gente-de-arte/definir-arte-e-quase-insanidade-gabrielly-kuster/
0 notes
cris7in4kus73r · 2 months ago
Photo
Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media
0 notes
cris7in4kus73r · 2 months ago
Photo
Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media Tumblr media
apanhado de anos,
0 notes
cris7in4kus73r · 3 months ago
Text
semana primeira 21-14
sinto que quis tanto abraçar o mundo e saber de tudo que me falta extensão tempo espaço mental pra ser correspondente desse flerte conheço esse impulso epitáfio onde me mato e mato tudo antes do primeiro ato levo tudo comigo e o caixão é encoberto de frustração e sufoco ainda sim a perspectiva me salva de um ponto olho distante e algo no horizonte me acalma - é só impulso obsessão é o pensamento compulsão é o ato se eu não movimentar eu caio o relativismo das opiniões alheias sobre meu trajeto e escolhas até aqui só torna mais concreto o XXXXXXX codificar pra decodificar reconhecer que está codificado para decodificar meu processo de humanismo de mim mesma se encontra em divergência a tosse do meu irmão me incomoda não tem ritmo a demora dos outros me incomoda mas se eu penso que cada um tem seu ritmo aceito e acalmo não funciono sem minha fração robótica que tanto cultivei durante minha vida acho que só tenho escrito quando estou à beira seja lá de qual lado do precipício eu quero muito conseguir agarrar tudo quero muito que ''a sorte esteja do meu lado'' quero muito ser ouvida, mas antes disso quero muito saber com clareza e didática o que tenho a dizer quero muito ter o que dizer antes que eu solte minha própria mão sou emocionalmente extrema como um interruptor o caminho do meio é o ziggy zorg se eu parar eu caio e tenho a consciência de que vai ter uma queda da qual não vou me levantar   então choro pra quem é do choro e tempo quem é do tempo me descobri um ser social, meu deus (a fig. de linguagem), eu sou humana apenas humanum est, é tudo que consigo digerir, já se foram 25 translações e esse fato ainda é imaginário - claramente muito real ! senão eu seria apenas uma consciência (em fases foi o que eu apenas fui) + acontece que não realizo a sinapse da minha vivência ao fato do reconhecimento do ser humano a lógica nos abandonou muito antes de cristo o cú é o único simbolo de controle inconscientemente mais próximo do palpável não quero terminar esse texto preciso de carinho, carinho que me compreenda, um carinho no silêncio como abraçar um gigantesco quartzo rosa de  me perder no tempo me reerguer em energia o espelho me mostra o que eu quero ver e me confirma o que quero que os outros vejam - minha manipulação e performance se aprimoram mascaradas de uma calma e presença atualíssima, a ansiedade que me espreme gerando questões do futuro e me obrigando a encontrar as respostas talvez no dia que eu conseguir personificar esse transtorno eu ganhe de 1 a 2 pontos de autonomia falta tempo pra me exercer solo e livre - sem obrigações, a manutenção de mim o ser social é um ser altamente esgotável, requisita manutenção constante dei apenas 4 passos ainda acredito em darwin (algumas coisas) o que corre nos canais lacrimais é medo minha ficha de jogador é detalhada e me guia o fantástico me distrai e mesmo assim nunca é meu objeto de vivência só um mecanismo de auto engano assim como minha liberdade aberta de encher a cara, do inicio da tarde ao final da noite -todas as noites busco kant com seus juizos, kant garante *charada* eu fragmento como um renascentista desbravando a profundidade de um quadro metade de mim deseja o raso do lago monocromático bidimensional a outra metade constrói catedrais na regra de ouro tão mecânicas e barrocas quanto a proporção áurea eu só quero que o tempo passe o todo dessas metades é irresoluto e desnorteado a ansiedade é o arquiteto técnico o contrabalanço ainda não tem nome, talvez chamarei a priori de ataraxia serro os olhos como quem cansou curvo os ombros como quem esgotou olho o que acho que sou e afirmo a mim que estamos juntos arcano prazer ontem saiu a carta dos amantes, le choix as escolhas. eu deveria tomar um banho                                                                                sinto tristeza com noticias tristes de vidas alheias                                                  e sobre o que somos e o que achamos que somos
é só uma questão do estádio de espelho espero que um dia que isso me traga paz ou que eu pelo menos desista mesmo que esse dia seja o último, nele me deitarei no campo de lavandas frescas e assim sumirei pra todo o sempre em frescor e despedida sutil desse infinito sinestésico que foi minha existência
1 note · View note
house-ad · 2 months ago
Photo
Tumblr media
2K notes · View notes
cris7in4kus73r · 3 months ago
Text
março e o tridente imaginário
--- overwhelmed overwhelmed overwhelmed não decifro o que se passa no corpo     tudo formiga tudo    minha visão se dissolve numa cefaleia  estou como uma chapa de metal chacoalhada atrás na coxia fingindo trovão fingindo chacoalhada e não dá nada      cóccix de ameaça mole    meu foco se dissolve sem novidade e temo que tudo isso seja ficção   nessa tarde sinto medo de sair do quarto    sinto medo do amanhã   sinto medo dos compromissos  fraca e tonta  como a barata depois de correr do veneno e perder   cansada das dores cansada do labirinto de estimação a esmo a cabeça pesa mais do que qualquer palavra     ecoo a pancada que eu ia dar na parede    enfiar o bestunto com força contra o muro pra ver se abre    de antemão sofro      Imbróglio que quiproquó   fecho os olhos vejo os raios       acídia me corrói    sou pecadora profissional      falta de ar se assemelha com a falta de força   ouço tudo nada compreendo o tempo me morde e eu choro   devo coisas    estou pendente   o dia escurece na frente das minhas micro decisões    a coleção de micro confusões     as contusões do afeto comunicativo   digo pra todos que estou inválida   me oferecem tempo ombros e votos de melhora    eu gostaria de ser uma caneta 1.3 É no complexo que encontro meu conforto Posso ser puta mas sou sua puta sós e soltos
8.3 
é preciso empurrar pra ir 
sabonete só hipoalergenico
0 notes
cris7in4kus73r · 4 months ago
Text
fevereiro entre pedras
angustia melancólica, retorno à prisão que eu mesma criei e me acomodo se eu ficar aqui arranco todos meus cabelos Dias ruins Não entro em nenhum padrão então tenho que estar de pé ,valorizar e criar meu próprio espaço defender minha tese o tempo todo, bancar minha ideia ideal o cansaço chega a mente cobra Me fez duvidar de tudo Não faço nada bonito, tudo isso é ansiedade Ela me domina e é o combustível dos meus desejos, é o fogo da execução Estou triste, sexta faz uma semana, retorno a mesma saída pelos fundos, irreversíveis atos Caio em arrependimento me encho de melancolia meu rosto pesa tanto que é impossível sorrir, não há nada mais óbvio não? A depressiva que está triste, a filha da suicida e do fantástico As lagrimas pesam Me sinto morta e sinto dor Não sei qual direção tomar agora, depois de percorrer outras direções também duvidosas O tempo só me envelhece e eu não faço nada A vida não me deixa esquecer que sou uma suicida Como se para de pensar? Não confunda distúrbios psicológicos com crises existenciais No meio de todos Consigo lidar ora não Bons momentos são os mais passageiros No meio de todos Um Pranto de angústia sobre pelos canais Não quero ir casa porque não sei o que vou fazer sozinha Não duvido da minha angústia Ate temo seu poder é anti-estético mas a tristeza é muito romântica a vida é pedra bruta e nosso movimento é bla bla bla Sepá o caminho do meio é o zigue-zague entre os extremos É preciso ler a faixadas pra queimar as faixadas é preciso bancar nossas propostas e parar de pedir desculpas por ser quem sou, se fosse pra ser melhor, eu seria, se fosse pra ser outro, eu seria, e então, o objeto eu seria o outro, e hoje sou a reunião do que fui e do que desejo ser, mesmo que impreciso, preciso me manter, aqui. nosso desgosto pela vida já é um clássico e é provido pelo mundo, a própria via da vida, o cenário de tudo, o mundo total em seu caos silencioso que nos pressiona contra uma parede gélida do inconsciente coletivo e de quando em quando falta o ar, a pressão do globo nos amassa não há quem não sinta, a dor não desvia de ninguém, como se fossemos importantes peças, mas só enquanto vivos 22.2.22 atraso de 1 semana no anticoncepcional me sinto bagunçada fudi minha libido ja fudida e minha cabeça, preocupação leve porém o pior uma zona de guerra dos sentimentos, a faixa de gaza dos sentidos, toda risada no final quer virar um choro, talvez eu só esteja rindo pra não chorar mesmo dor de cabeça a cefaleia nicotina. só nao boto na veia porque preciso sentir o que o trago me dá deitei senti o grande cansaço tudo vai ficar pra amanhã levanto e trago a cabeça porque minha sede é tanta
# marca                                                                                                              dores 
0 notes
cris7in4kus73r · 4 months ago
Text
resíduos de novembro
de quando em quando percebo que sempre fui eu, desde o início eu sou eu, mudo muito, todos nós, tem dias irreconhecíveis, atos também, mas assim como tudo, existimos dentro e fora, pra nós e pros outros, somos algo, a thing, to segura, the royal we grande parte dessa ultima experiencia de ficar um tempo fora de casa me mostrou que eu tenho de fato uma casa, que onde moro é minha casa, onde me recolho, onde me liberto, onde me recupero, me armazeno, onde me representa. Muito mais que isso, ver como posso perder a mão com drogas, eu estava em estado de comemoração. Que a convivência é um choque. Que ideologias são muito importantes para algumas pessoas, outras são mais sentimentais. De como posso ser dependente do meu externo, do concreto ao meu redor, como faço disso uma casca e quando mudo de ambiente é sempre um abalo sísmico. De como preciso me humanizar mais. De que se relacionar é de extrema importância. Que não preciso mais de malas tão grandes. Como de fato muitas vezes temos que fazer o que tem que fazer e não o que se quer, geralmente muito do que se quer pode dar merda ou é super atrativo. sim, diga-me com quem andas que te direi quem és. a ordem é de extrema importância. Que os relacionamentos amorosos devem ser tratados com mais realismo e conformismo (tudo muito específico e delicado). Que é inevitável esperar reconhecimentos, parte do que fazemos é pro(s) outro(s) sim. Que a psique é algo fantástico. Que sou muito apocalíptica e fatalista, nada como um dia após o outro dia. A aceitação da mediocridade é de extrema importância. Expectativas, por mais baixas que sejam, são uma merda, a realidade é sempre muito mais óbvia, e isso não significa que ela não seja já sabida por quem a vive, e não é necessariamente óbvia tbm. Se auto-tratar é legal mas é sempre você com você, só vc no seu mundo e suas verdades, não dá. Pelo tamanho da minha mala e das coisas que levei conseguimos ver como sou imaginativa.   ''Um mundo fantástico me rodeia e me é. Ouço o canto doido de um passarinho e esmago borboletas entre os dedos. Sou uma fruta roída por um verme. E espero o apocalipse orgásmica.'' clarice né e sobre o macacão que to montando, percebo que é muito mais sobre os outros, sobre o impacto, sobre o julgamento, sobre o reflexo, sobre  a performance, a provocação, por mim, tudo o que tá escrito e desenhado eu já sei, as cores já conheço, os formatos também, não tem novidade, novidade é rebolar isso fora de casa, mistura de medo, sera que sei entrar numa briga verbal? ou melhor, sera que sei ignorar um sarcasmo? ou sera que sei lidar com elogios? ainda gosto do estranhamento? faz tanto tempo que nao faço nada do tipo, é ousadia visual, não tem nem o que falar, mas eu mudei tanto, o mundo mudou tanto, quero sentir. as lacunas sempre vão chamar mais atenção. Quanto mais anônimo melhor // Experiencia do macacão Me sinto bem comigo É provocativo Na rua ligam menos Dentro do metrô ligam um pouco mais Fiz uma mãe e uma filha rirem, isso me faz feliz, achei bom, mesmo sendo o alvo, me propus a isso, e entendo, eu fazia isso com a minha mãe também, fiquei feliz em proporcionar um momento de chiste filial Os do bando entendem que é dia de comemoração e tem q se montar mesmo, com seu senso estético :::::::: Quero criar uma tradição de natal ou ano novo Aprender a fazer origami do passaro da paz e dar pra quem é importante, etc varias piras diante disso :::::::: Eu to um pouco confusa com o que sinto, me comprometo, isso não muda, mas sinto mudanças dentro de mim, desejos novos que não quero castrar mas tbm não quero expor sem saber o que é direito, o tempo passa dentro de uma relação e se cria fortalezas e porões, controi se coisas, afetos, manias, e enquanto isso mudamos individualmente também, no ritmo de cada um, não sei de muito mas sei que tem que ser sustentável. Só não sei o quanto tempo quero ficar, por causa desses meus desejos, mas sei o quanto ter alguém dá base pra desenvolver outros nós e auto relações, pois tapam buracos, que as vezes são muitos e tapar alguns ajuda na caminhada. Sei que penso no Alexandre quase todos os dias, penso em como ele está e como ta sendo esse processo, se ele ja recebeu algum aviso ou não, penso no sul, nas pessoas de lá e em momentos que lá vivi. Sei também que reflito sobre meu corpo, gosto do que vejo, e desejo melhorias, mas que ter contato visual com tanta gente gera possíveis crises internas, devemos ser fortes na identificação com nós mesmos, saber o que somos e o que gostamos, pois tantas opções atraem os olhos e podem ser um tiro confuso, dentro. Me comovo com o afeto entre as pessoas na rua, principalmente desconhecidos. Me incomodo de ver pessoas na miséria mas infelizmente sei que não posso mudar isso, nem ninguém, que isso é resultado e parte do interesse e propósito de um sistema governacional de competição e injustiças, um governo interesseiro e impessoal, um mal quase anônimo e eterno. Sei que tenho pensado muito em mulheres, tenho desejado muito estar com mulheres, sexualmente falando, um desejo quase conversor, tem que que não sobra nada do outro lado do bi desejo. Sei que penso na Esther. Sei que amo minha casa e minha familia e que esse movimento tem me mostrado esse valor. Que tudo que é novidade é divertido mas que a vida, as relações, o trabalho, não tem isso como constante, e é assim, é abraçar o medíocre como quem aceita a vida e se liberta. Sei que esse natal vai ser legal, e não sei o que vai ser de nós, não tem como saber, tenho muito carinho, confesso que estou um pouco alienada mas ainda presente, e independente do que aconteça, esse dia, e todos os momentos vão estar guardados com muito carinho dentro de mim, num lugar unico como cad um tem, e natais são apenas natais, não são nada alem de uma comemoração coletiva de alívio e esbórnia. Sei que muita coisa acontece dentro de nós, muito não vemos, mas sei que acontece. Não me preocupo com meu consumo, nao sou dependente nem viciada, passo bem dias sem, muito do que entra é por necessidade social/ intern, pra lidar com, e sei falar nãos, não preciso viver de novo o que vivi, não vale a pen correr tal risco, e por muito nem há desejo: é nisso que tenho que refletir e amadurecer. A energia do tempo se estende, arrasta e pesa se não é direcionado. Não tem nada de novo ou diferente nesse relacionamento que estou, e em nenhum outro que observo ao meu redor, precisamos quebrar esse espelho, somos humanos e somos padrão sobre padrão. Sei da necessidade de me humanizar. Sei do quão boa é minha companhia (pra mim mesma) quando a uso pouco, tudo é bom quando não excessivo. Não quero ser indelicada mas não vou abrir mão da honestidade, só a coragem que vive em estados alterados. Sei que falo muita merda, pois sou humana e vejo o mundo sob a minha verdade, sei que esqueço de muita coisa mesmo achando que não, porque novamente sou humana. Sei que preciso suprir certos desejos e condições, e essa é a busca, alimentar a alma, com transparência e coragem. Coragem é o fogo que torna desejo em ação. Sei que a vida é muito mais sobre perder do que ganhar ou relizar desejos, pois a possibilidade de desejar é infinita e a vida é finita, e real -muito além de nós. Nunc teremos tudo, então vale a pena olhar com carinho ao que se tem. (22.12) ** Me artilculo e uso tudo que eu posso ser, tudo que eu acho que eu posso ser dentro pequena expansão desse pote de carne feroz e volátil que é corpo- você me inspira eu inspiro e tento tocar na realidade como quem procura se segurar sempre nos tetos dos vagões, vago/ é muito fácil perder a mão e com ela a noção do quem é quem, se misturar, no mesmo teto recipiente afeto rimar é tão brega mas as vexes acontece; as vezes é acompanhado dum desejo de fazer tudo diferente- dai quando algo se repete assusta o navegante, que passa por instantes achar que tá repetindo sendo que não tem como fugir de alguns padrões comportamentais humanos, é isso que ainda somos, nem sub nem super, apenas humanos, nem humanoide nem estrela, apenas poeira formatada condensada e condenada a estar consigo mesmo até o final do expediente/ somos tudo o que temos, cansitivo manter conexão com algo julgado como lucidez, ora só tem seus olhos olhando pra isso, quem garante veracidade? Mas se não acreditas na sua verdade vai acreditar na de quem? Ser livre é bom e desesperador, os excessos pesam e os restos não consumidos e/ou não metabolizados também são cobrados, ninguém segura a mão de ninguém pois estão ocupados tentando se segurar. E a realidade antes de tudo é uma via que vai pra depois vir, eis o substrato no indivíduo, não quero ver o tempo passar eu quero ser uma ação do tempo a passar. Ninguém pode provar o que não sei. O ímpeto de ser diferente por vezes me atropela, sempre como um ônibus que me joga pra longe- e meu nome nunca foi parar no obituário, acordada e longe do meu ponto levanto pra mais uma; a jornada só cessa quanto não sobra nada, mas o que vc espera sobrar? Senta ai e me conta, tudo que ta escondido atras do seus olhos todos, atras do seu ouvido, me mostra suas costas, teus nichos, posso te contar o que vc jamais enxergaria, vice e versa idem. ainda me pego remodelando o futuro (não espero que um dia pare) e reabsorvendo o passado, isso só me torna mais igual a tu e a eles, satisfação; me descubro humana, ato recente; ainda em ensaio; antes do primeiro vigésimo quinto ato. Ouço passos, passos indecisos de quem vai e volta e perambula nesse círculo quadrado, eles sempre tiveram aqui? Image break fake nua, não me interesso mais, ao brincar, destruir/ ando numa de construção, bilateral? se faz necessário destruir ao construir? bem como uma cabeça nao vive sem corpo mas um corpo, com dificuldades, vive sem uma cabeça. Não sou super heroi de ninguem, ainda preciso tentar parar de me salvar, me vejo nos pássaros de leminski, os presos nas gaiolas, tão salvos de qualquer salvação. Me conte uma novidade que me confesso a ti como um padre&neston, coração de mãe banana assopra meu corpo dói injusto é natal X repouso e trabalho contralanceado evidenciando a pouca oferta de um e alta demanda do outro: o que me cansa o corpo hoje é a doença, viver é brasa. E finais de ano comemorados me fazem assistir o passado como uma jangada sazonal- balança e alterna pequenos death detalhes confundíveis reconstruindo uma nova cena a medida de se distancia do que aconteceu, e ainda acreditados com toda fé e afeto no que é lembrado, derretidos choramos, o passado nos cobre de açúcar; há artifício mais humano que ver verdade em suas proprias mentiras? Elas são pura versade do qe eu quero ver, o meu fantástico é acreditar, meu fantasma é realizar(???) ja sao horas e eu fiz tudo, tudo menos o que eu precisava fazer. Quem sou eu pra me abandonar? Fico, se ficar, não há necessidade de voltar. Escrevo como se isso me salvasse e lembro de títulos que nunca li, falariam eles sobre mim também? E essa fixação humana de marcar horario cumprir presença no inutilizado, assisto discordando, acordo fazendo pois por mais distante que seja sou parte dessa grande fixação latente como o arrependimento dum amante frustrado com o pesar de um cachorro perdido Constipação é emocional Quando eu estou eu não tenho nome ,,” 29/12 Me sinto desfragmentada, codificada, sem acesso à partes próprias de conhecimento, elas existem? Me sinto sem personalidade sem opinião própria, afinal o que me torna diferente dos outros humanos? Isso só importa pra mim, deve ficar comigo, posso ter travessado a barra e chegado na ponta da visão que nda sou além do comum, isso me torna triste, isso me fragmenta. Não preciso pensar assim pra me humanizar, me sinto iniciando um novo sistema operacional, como que- mmas!?( É necessário ver em si algo precioso, algum apreço. Claro  lusco fusco  escuro Parto de princípios desprincipiados Talvez eu esteja apenas fazendo as perguntas erradas: e me deparei com uma quantidade e qualidade de possibilidades de detalhes que não vejo que não noto que não enxergo/ isso tudo enquanto acreditava que tudo via que tudo sentia que tudo olhava/ dor da queda pernas roxas sucessão de espelhos quebrados sem azar nenhum. No lugar dor Como se tivesse ficado numa câmara exclus, em diversas, mudando com temas e tempo Fico na superfície das coisas e minha inquieta ansiedade me leva A acreditar q entendi o q me foi passado sem mesmo ter terminado de ouvir Volto na reflexao que sou lago raso e o reflexo Futilidade Andei tanto pra cair no inicio, ilusão e ironia Falo muito me estendo me enfio onde não devia faço o que não precisava É sempre isso Tenho que ir pra depois voltar Me estendo por toda ideia chego ao final (o oposto) dela Dançar é bom pode fazer bem mas tem que desprender Nao sou o que eu era, ao menos o que eu achava que era, o que eu achava que era? Pessoal fala da música sem nem gastar um minuto na frente da banda, é sobre ouvir né Maconha nao caiu bem Mas me tranquilizo, do to lado de casa Mas to com pessoas, pessoa das quais me conecto, superficialidade Nao quero plantar minas na minha cabeça explosiva Ir pra casa (to no apostrophe) me esgotei de estar no ambiente, com os outros, to no rumo da apatia, bem não estou, foda se o que aue vai acontecer quando eu não estiver mais aqui, o que eu “vou perder”, não tenho mais um puto de assunto ou compreensão, sem cabeça ou com cabeça mas sem boca nem saco Cansei sim Tudo tanto faz Acho que to aprendendo a esperar E aceitar Desgaste de sensibilidades Deficiência em perceber o óbvio, o claro não está claro, As marcas na minha pele são pistas ou marcas egoicas, preciso analisar Sinto tristeza, pesar, me vejo perdida, perdida de rumo de direção perdi tempo energia dedicação me perdi- fui fundo demais Não sinto nada sobre nada, tudo que sentimos é antes de tudo criação? Perdi a mão na minha própria ilusão Problem que não sei de quais prinpicios partir pra uma nova construção, sem instrução Me isolar ou me conectar? Largar todos apegos as manias Neutra e crua, me encontro sem dim nem começo Frag ment ta                           da Respirar é tão bom Profundo Quero chorar Morrer não é uma opção, a menos q eu perca a cabeça e as mãos Fodasse faz tempo que nao escrevo nao penso e nao falo nada coerente pu q faça sentido algum Levantamento do que eu nao quero ser Vire mexe me pego me entendendo como uma pessoa horrível, é que agora pegou na essencia no funcionamento no minimo como ser social Meu ser multiplo sofreu colisão c a realidade coletiva Restart retardado Devir Difícil é não cortar o cabelo quando a barra pesa -difícil se desprender do apego da culpa materializada em fios, apego ao tempo visivelmente acumulado, difícil se desfazer do passado Buscar a simplicidade (?) Observar e viver de acordo com a natureza Sim conseguimos resolver coisas de jeito objetivo, pequenas decisoes Como nao vou cortar o canelno nao eh isso q sinto quero fazer o que me agrada lepidae pmais pra mindo do que pros outroa. Tanta coisa ja vista e a gegte aqui de no Ser mais coletivo Doae mais se si se dividir em tempo e espaço Capa de celular abridor de garrafa Chaveiro abridor de vinho Colar com compartilmentos Carteira com comparimmwntoa A ideia da bolsa perfeita < pra superar traumas e manias Leve A vó me viu tomando temedio que isso? Rivotril com cerveja? Vc vai aer cobrada por isso, tu sabe que é errado, é errado e ponto Reflexão: papo pra saber se ta certo ou nao
E ruso q eu achava q sabia (e nao) sei) que ta demtro de minha em algum lugar pois nada ae perde mas me sinto vazia e sem tai conhecimentoa e sabedoreias poeque talvzw eu twmha parado se praticar e desenvilvelas Tudo na vida é constante E papo pra saber o q eh cerfo e errado: nao fazer com os outros o que vc n gostaria q diaessem corigo Outro cliche classico necessário e papo reto TESÃO         LIBERTAÇAO DOS IPULSOS CASTRAÇAO DO PRAZER E TESAO OBJETIVO DO CAPITALISMO ANARQUISMO PAIXAO EH LUCIDEZ E APICE SOCIEDADE NAO SUPORTA POR INVEJA (DESEJO) O MORALISMO SUTIL INCONSCIENTE APEGO E GOSTO INCONSCIENTE PELA DOR PELO ERRO FREUD PODIA TER LIDO MARX LACAN CONTINUOU FREU COM ESTRUTURALISMO E ALTAS NOMENCLATURAS REICH APOSTULO FREUDIANO Q TOMOU OUTRO CAMINHO BATAILLE ENESRT BECKER SENTIMENTO DE CULPA acho que a lei ética que é valida em coletivo como discernimento é o clichê '' não faça com o outro o que você não gostaria que fizessem contigo '' Toda teoria é em cima dos próprias questões e complexos + digitar o caderno monet e upar no tumblr fazer caderninhos portateis Tudoo tao clifhe mas eh cliche pra mim Nao sou o univero nao sou você sou no maximo alguns eus
1 note · View note
cris7in4kus73r · 4 months ago
Text
janeiro
+ultima sessão
personas = saudável . persona = sintoma mudo tanto minha aparência nos roles por necessidade psíquica estudar jung alma no jung ato orgânico da psique drogas botar a energia do ego nos complexos, fragiliza internet e a era da informação somos gigantes em poucos minutos gigantes ocos anima afeto e feminino deixar a alma ser livre, genuíno é o instinto 
essas coisas q carrego o é pro meu ego sobreviver ou minha alma transbordando? evoluir é iluminar o inconsciente é um imã ele é caos pq nao esta iluminado ele é o caos drogas pra lidar com o mundo interno e nao só externo dona de casa é uma persona surto aceitar a mediocridade e me humanizar (abaixar* os parâmetros comigo que sao sobrehumanos) ovário como reservatório do feminino, imagina o quanto de coisa guardo lá e deixo de sentir, o quanto isso me afeta, o quanto isso modelou tbm minha pisque
11 eu perdi meu lugar mas nenhum lugar é meu a raiva que sinto antes de ver q somos muito mais parecidos do que diferentes a compreensão transforma o asco em doçura, como a alquimia da calma hoje fui ao encontro de tormento e não e encontrei, fui um touro manso perdido mas manso, num rebanho de outros perdidos acompanhando os relógios dos patrões acho que sempre vou me sentir ultrapassada, talvez isso que mantém um movimento existe algo positivo dentro de mim que me guarda, eu não sei de nada, de nada sobre a vida nada me assusta, tudo me cansa e nisso me calo, calo como se meu momento não fosse agora, não tenho nada pra falar, pedi perdão pela minha apatia e tirei as primeiras cartas do ano, Diabo, Torre e Mago. Enxerguei id, superego, ego. pra tentar chegar no meio eu percorro todos os extremos.   não tenho sentido vontades ou motivações a p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 p0stur4 e toda ideia parece ter que mudar o mundo, ser a solução, ser jamais visto. daqui 5 anos reúno 30 anos de existência, não sei em que lugar da regua temporal me encontro, tambem nao sei pra qual lado minha opinião pende e se cria. mas abro as portas pra mediocridade. tenho que ficar me vigiando 13 não acho q eu era uma boa pessoa quando minha mãe era viva mas acredito que eu tenha piorado, porque não tenho mais ninguém me tomando rédeas e ditando regras, minha mãe era muita coisa, dentre elas, justa e correta, moralmente, exemplar pelo menos em nossas memórias Minha alma não é boa, minha pessoa é muito corrupta, e não tenho desculpa pros meus erros porque entendo que são errados. Castro impulsos por não querer lidar com algumas consequências e não pelo pudor da maldade. Poderia ser pior, mas também poderia ser melhor. os ratos e eu, com os ouvidos nos passos dos homens, nos escondemos 15 Imitações são o que temos de melhor na programação além da grande (em intensidade de trabalho) máquina de questões não sei você mas eu sou uma farsa Esses dias na rua a noite subindo havia um corpo no chão um corpo com o resto de vida que lhe sobrara caiu um corpo esticado encarando o chão e nada faço além de expremer disso umas palavras 16 Digo que estou longe porque nao estou comunicativa e nem quero estar; conformada, no momento não sei o que dizer, volto ao silêncio, inclusive comigo, o desejo constante é ficar só, e nisso alimento a cobra que come a própria calda , volto ao silêncio quero ficar só não sei o que dizer volto ao silêncio. Estou com fracas habilidades sociais toda interação tem sido tão esquizoide, me sinto inadequada. A vida é tão espiralVolto ao silêncio, me abrigo da chuva espero ela passar, espero o tempo passar, eu nao quero nada, não desejo nada, só ficar só, só com minhas vírgulas só com minhas abstrações só com minha ignorância quero estar só. {Enquanto sublimoum desejo ardente por companhia e articulação social livre, antídoto de alto preço} Pareço perdida com necessidade de tempo e espaço pra me encontrar. Outra vez. É só isso que vejo sim não isolamento egoico self self selffiish; O clichê da vez. Tudo pode esperar. Se uma coisa pode ser deixada pra depois tudo pode. Nada é importante. Minha peneira é muito bruta eu não sei selecionar sou muito bruta sou um muro fincado muito rapidamente entre o que é e o que não é ocupando justamente o meio sensível onde as coisas se tornam onde mora o sensível corpos caem enquanto eu ignoro saber o quanto uma garoa fina pode estragar Tudo bem se não acontecer. Não estou lutando por nada nem pelo prazer. Uma passividade apática toma conta da face cerra meus olhos e cansa meu semblante. O que eu não posso ter simplesmente se acumula no baú de frustrações assisto parte de mim sendo aquela que eu nunca quis ser. To tão conformada sem esboço de sorriso ou lágrima. Sentimentos de domingo. Não sei o que dizer. Quero ficar só. Volto ao silêncio. Se não tem o que dizer é melhor não dizer nada pensamento 1 afrontado pelo pensamento 2 a tentativa de recolhimento da ansiedade, que pula palavras e jorra o que tem na frente mesmo que não faça parte eu sou uma farsa todo dia me deparo com isso essa montanha de quases essa coleção de estradas paralelas à resultados paralelos sou cópia paralela sempre economizando nunca legítima volto ao silêncio Quando preciso trava 0000000000000000 To andando na rua n posso parar p escrever nem usar celular na rua igual to fazendo agr minha vida tem pouca ordem tenho q aproveitar os naos que consigo me dar que me dar Sempre vivi dando desculpas meu modus foi contruido em cima disso daí vc vai me fizer q todo mundo é assim mesmo, mas então somos uma gangue de horríveis covardes — como fug1 d0 00b?vLL Ta difícil desenrolar escolhas pq botei minhas escolhas feitas na parede e subiu um fedor horrivel de frustração tudo incalculado novesfora nada grande logica a minha de escolhas afinal elas me trouxeram ate aqui, um merda +1parabéns mais+1 um textao, se sente melhor filha da puta? Na minha cabeça falta 1 semana pro ano começar e isso não guarda nenhuma notícia ou plano que pauta desgraçada Hoje já era quiçá amanha também dor nas costas de ficar jogando culpa sempre acho uma culpa pra colocar em mim que apego exagerado me sinto inadequada despertando sentimentos que me repelem dos outros e da execução da vida ando triste quero ficar só sinto vergona da minha brutalidade advinda da ignorância volto ao silêncio Porra mó vontade de chorar quando travo em decidir  algo opinar algo ou simplesmente responder a quaisquer interação que seja pra tudo é sei lá que merda tao frouxa tao gauche diante da vida tao broxa sumir sumir sumir sem assumir nada eu poderia ser esquecida sunir como quem viveu só pr si e só susususumir    sumir    sumir no silêncio sumir s u m i r su     r     mi S.           17 e do nada nossa casa vira um lugar horrível de se estar. 18 As coisas pioram dentro e fora de mim Uma angustia se transforma e eu me detesto e detesto tudo e todos ao meu redor Não presto pra nada e não tenho nenhuma motivação nem resistência, não me reconheço só carrego um corpo triste e fragil Estou com os óculos do horrível, só vejo o horrível só faço o horrível, me sinto mal/ poderia dormir comer e tomar banho por um bom período, decadência, nao tenho mais tanta elasticidade com nada To muito triste e nao sei o que fazer, nenhuma solução nada pra melhorar só estou sentada chorando um pouco, to muito triste, acumulou e agora to ao invés de no abismo to empurrada contra uma parede que chegou ao fim Meu passatempo tem sido mentir e contornar situações ao meu favor Sinto que quando me afasto da sensibilidade de afasto do mundo to tao X totalmente X Recuperar meu olhar minha coragem Nao sei fazer nada nao tenho nada pra oferecer nao sei quem eu sou cai de algum lugar e nao tenho passado nao tenho acesso ai meu passado Vontade de jogar tudo fora e começar do zero com uma camiseta uma calça e um caderno par de sapatos - queria saber o que me atormenta, se tudo isso eu que criei e me afundo em ilusão Tudo é precipício pra choro Tudo é catapulta pro abismo Ando assim preciso me encontrar com a vida ela sempre tem razão /de que adianta ter varias coisas e nao saber usar / me aninho cada vez mais nessa poça e me torno ela imóvel incapaz metamorfose para inanimação contagem de tempo volto ao silêncio e a morte como solução me falta sensibilidade me falt vocabulário sim me vejo aquela pessoa que tinha enorme potencial e virou um fracasso, o tempo passa e  só fica mais patético Meus pais também são uma farsa
01.2 sinto a necessidade de ficar em silencio pra ouvir as necessidades reais ao meu redor como um grito de emergencia ou socorro ele me deixa seria o café vai terminando e sobe um leve desespero mascarado de desculpas pois o que tenho que cumprir só cabe a mim e para mim - nenhuma grande responsabilidade, como se tudo pudesse esperar meu ânimo, como se ânimo fosse algo de esperar  e não de agir, é acender a chama inicial que o resto se consome mas é preciso guiar - acordar é dificil a motivação é comida, não a fome, a comida. Tenho uma serie de coisas a fazer e tenho prazos, pois apesar de muito ser sobre mim tem pessoas conectadas e afetadas a essas pendencias, meu trabalho depende de mim, minha saude, a limpeza e ordem do meu espaço e do geral da casa, meu processo, meu estudo, meu corpo e cada funcionamento, meu tratamento, tenho tanto a aprender, e tudo bem, ainda bem, mas confesso pesos e confesso a tristeza óbvia que nos impede de executar a dependencia do olhar do outro. forte, como se eu nao conseguisse curtir de fato sem ter alguem me olhando  o que falta pra minha construção ?
0 notes
cris7in4kus73r · 4 months ago
Text
Tumblr media
4K notes · View notes
cris7in4kus73r · 5 months ago
Text
Num Monumento à Aspirina. J.C.M.N
Claramente: o mais prático dos sóis, o sol de um comprimido de aspirina: de emprego fácil, portátil e barato, compacto de sol na lápide sucinta. Principalmente porque, sol artificial, que nada limita a funcionar de dia, que a noite não expulsa, cada noite, sol imune às leis de meteorologia, a toda hora em que se necessita dele levanta e vem (sempre num claro dia): acende, para secar a aniagem da alma, quará-la, em linhos de um meio-dia.
Convergem: a aparência e os efeitos da lente do comprimido de aspirina: o acabamento esmerado desse cristal, polido a esmeril e repolido a lima, prefigura o clima onde ele faz viver e o cartesiano de tudo nesse clima. De outro lado, porque lente interna, de uso interno, por detrás da retina, não serve exclusivamente para o olho a lente, ou o comprimido de aspirina: ela reenfoca, para o corpo inteiro, o borroso de ao redor, e o reafina.
(no livro “A Educação pela Pedra”)
0 notes
cris7in4kus73r · 5 months ago
Text
Dentro da perda da memória. J.C.M.N
Dentro da perda da memória
uma mulher azul estava deitada
que escondia entre os braços
desses pássaros friíssimos
que a lua sopra alta noite
nos ombros nus do retrato.
E do retrato nasciam duas flores
(dois olhos dois seios dois clarinetes)
que em certas horas do dia
cresciam prodigiosamente
para que as bicicletas de meu desespero
corressem sobre seus cabelos.
E nas bicicletas que eram poemas
chegavam meus amigos alucinados.
Sentados em desordem aparente,
ai-los a engolir regularmente seus relógios
enquanto o hierofante armado cavaleiro
movia inutilmente seu único braço.
(no livro “Pedra do Sono”)
0 notes
house-ad · 3 days ago
Text
Tumblr media
True LOVE. Pocket Casts.
2K notes · View notes