Visit Blog

Explore Tumblr blogs with no restrictions, modern design and the best experience.

Fun Fact

Furby, that creepy 1990's doll, has a tumblr page.

Trending Blogs
#anne frank
image

Espero poder contar tudo a você, como nunca puder contar a ninguém, e espero que você seja uma grande fonte de conforto e ajuda.

Anne Frank, 12 de junho de 1942.

12 de junho de 1942

Espero poder contar tudo a você, como nunca puder contar a ninguém, e espero que você seja uma grande fonte de conforto e ajuda.

Comentário acrescentado por Anne em 28 de setembro de 1942

Até agora você tem sigo uma grande apoio para mim, como também tem sido Kitty, para quem tenho escrito com regularidade. Esse modo de manter um diário é bem melhor, e agora mal posso esperar os momentos de escrever em você.

Ah, estou tão feliz por ter você comigo!

Domingo, 14 de junho de 1942

Vou começar a partir do momento em que ganhei você, quando o vi na mesa, no meio dos meus outros presentes de aniversário. (Eu estava junto quando você foi comprado, e com isso eu não contava.)

Na sexta-feira, 12 de junho, acordei às seis horas, o que não é de espantar; afinal, era meu aniversário. Mas não me deixam levantar essa hora; por isso, tive de controlar minha curiosidade até quinze para as sete. Quando não dava mais para esperar, fui até a sala de jantar, onde Moortje (a gata) me deu boas vindas, esfregando se em minhas pernas.

Pouco depois das sete horas, fui ver papai e mamãe e, depois, fui à sala abrir meus presentes, e você foi o primeiro que vi, talvez um dos meus melhores presentes. Depois, em cima da mesa, havia um buquê de rosas, algumas peônias e um vaso de planta. De papai e mamãe ganhei uma blusa azul, um jogo, uma garrafa de suco de uva, que, na minha cabeça, deve ter gosto parecido com o do vinho (afinal de contas, o vinho é feito de uvas), um quebra-cabeça, um pote de creme para o corpo, 2,50 florins e um vale para dois livros. Também ganhei outro livro, Camera obscura (mas Margot já tem, por isso troquei o meu por outro), um prato de biscoitos caseiros (feitos por mim, claro, já que me tornei especialista em biscoitos), montes de doces e uma torta de morangos, de mamãe. E uma carta da vó, que chegou na hora certa, mas, claro, isso foi só uma coincidência.

Depois, Hanneli veio me pegar, e fomos para a escola. Na hora do recreio,  distribuí biscoitos para os meus colegas e professores e, logo depois, estava na hora de voltar aos estudos. Só cheguei em casa às cinco horas, pois fui à ginástica com o resto da turma. (Não me deixam participar, porque meus ombros e meus quadris tendem a se deslocar.) Como era meu aniversário, pude decidir o que meus colegas jogariam, e escolhi vôlei. Depois, todos fizeram uma roda em volta de mim, dançaram e cantaram “Parabéns pra você”. Quando cheguei em casa, Sanne Ledermann já estava lá. Ilse Wagner, Hanneli Goslar e Jacqueline van Maarsen vieram comigo depois da ginástica, pois somos da mesma turma. Hanneli e Sanne eram minhas melhores amigas. As pessoas que nos viam juntas costumavam dizer: “Lá vão Anne, Hanne e Sanne.” Só fui conhecer Jacqueline van Maarsen quando comecei a estudar no Liceu Israelita, e agora ela é minha melhor amiga. Ilse é a melhor amiga de Hanneli, e Sanne é de outra escola e tem amigos lá.

Elas me deram um livro lindo, Nederlandse Sagen en Legenden [Dutch Sagas and Legends], mas por engano deram o volume II, por isso troquei dois outros livros pelo volume I. Tia Helene me trouxe um quebra-cabeça, tia Stephanie, um broche encantador, e tia Leny, um livro fantástico: Daisy’s bergvakantie [Daisy Goes to the Mountain].

Hoje de manhã, fiquei na banheira pensando em como seria maravilhoso se eu tivesse um cachorro como Rin Tin Tin. Eu também iria chamá-lo de Rin Tin Tin e o levaria para a escola; lá, ele poderia ficar na sala do zelador ou perto dos bicicletários, quando o tempo estivesse bom.

Segunda-feira, 15 de junho de 1942

Minha festa de aniversário foi domingo à tarde. O filme de Rin Tin Tin fez o maior sucesso entre minhas colegas de escola. Ganhei dois broches, um marcador de livros e dois livros.

Vou começar dizendo algumas coisas sobre minha escola e minha turma, a começar pelos alunos.

Betty Bloemendaal parece meio pobre, e acho que talvez ela seja. Ela mora numa rua que não é muito conhecida, no lado oeste de Amsterdã, e nenhuma de nós sabe onde fica. Ela se dá muito bem na escola, mas é porque estuda muito, e não porque seja inteligente. É muito quieta.

Jacqueline van Maarsen é, talvez, minha melhor amiga, mas nunca tive uma amiga de verdade. No começo, achei que Jacque seria uma, mas estava redondamente enganada.

D.Q.* é uma garota muito nervosa que sempre esquece as coisas, de modo que os professores vivem passando dever de casa extra para ela, como castigo. É muito gentil, especialmente com G.Z.
E.S. fala muito e não é engraçada. Vive mexendo no cabelo da gente ou tocando  em nossos botões quando pergunta alguma coisa. Dizem que ela não me suporta, mas não ligo, porque também não gosto muito dela.
Henny Mets é uma garota legal, tem um jeito alegre, só que fala em voz alta e parece mesmo uma criança quando estamos brincando no pátio. Infelizmente, Henny tem uma amiga que se chama Beppy que é má influência para ela, porque é suja e vulgar.

J.R. - eu poderia escrever um livro inteiro sobre ela. J. é uma fofoqueira insuportável, sonsa, presunçosa e de duas caras, que se acha muito adulta. Ela realmente enfeitiçou Jacque, e isso é uma vergonha. J. se ofende à toa, chora pela menor coisa e, além disso tudo, é metida demais. A Srta. J. é a dona da verdade. Ela é muito rica e tem uma armário repleto de vestidos maravilhosos, que são adultos demais para a sua idade. Ela se acha linda, mas não é. J. e eu não nos suportamos.

Ilse Wagner é uma garota legal, tem um jeito alegra, mas é afetada demais e consegue passar horas gemendo e reclamando de alguma coisa. A Ilse gosta um bocado de mim. É muito inteligente, mas preguiçosa.

Hanneli Goslar, ou Lies, como todos a chamam na escola, é meio estranha. Costuma ser tímida - expansiva em casa, mas reservada quanto está perto de outras pessoas. Conta para a mãe tudo que a gente diz dela. Mas ela diz o que pensa, e ultimamente passei a admirá-la bastante.

Nannie van Praag-Sigaar é pequena, engraçada e sensível. Acho que ela é ótima. É muito inteligente. Não há muito o que dizer sobre Nannie.

Eefje de Jong é, em minha opinião, fantástica. Apesar de só ter 12 anos, é a própria lady. Age como se eu fosse um bebê. Além disso, é muito atenciosa, e eu gosto dela.

G.Z. é a garota mais bonita da turma. Tem um rosto bonito, mas é meio burra. Acho que vão fazer ela repetir o ano, mas claro que eu não lhe dei a notícia.

Comentário acrescentado por Anne mais tarde

No fim das contas, para minha grande surpresa, G.Z. não repetiu o ano.

E, sentada perto de G.Z., fica a última das 12 meninas: eu.

Há muito o que dizer sobre os garotos, ou talvez não muito, pensando melhor.

Maurice Coster é um de meus muitos admiradores, mas é uma tremenda peste.

Sallie Springer tem uma mente imunda, e todo mundo fala que ele já fez de tudo. Mesmo assim, acho ele fantástico, porque é muito engraçado.

Emiel Bonewit é admirador de G.Z., mas ela nem liga. Ele é bem chato.

Rob Cohen também andou apaixonado por mim, mas não aguento mais ele. É um patetinha antipático, falso, mentiroso e manhoso que se acha simplesmente o máximo.

Max van de Velde é um camponês de Medemblik, mas um cara legal, como diria Margot.

Herman Koopman também tem a mente suja, como Jopie de Beer, que adora paquerar e é completamente louco pelas garotas.

Leo Blom é o melhor amigo de Jopie de Beer, mas foi prejudicado por sua mente suja.

Albert de Mesquita veio da Escola Montessori e pulou de ano. É inteligente de verdade.

Leo Slager veio da mesma escola, mas não é tão inteligente.

Ru Stoppelmon é um garoto baixinho e bobo, de Almelo, que foi transferido para esta escola no meio do ano.

C.N. faz tudo o que não deve.

Jacques Kocernoot senta atrás de nós, perto de C., e nós (G. e eu) morremos de rir.

Harry Schaap é o garoto mais decente de nossa turma. Ele é legal.

Werner Joseph também é legal, mas as mudanças que vêm acontecendo ultimamente fizeram ele ficar quieto demais, por isso parece chato.

Sam Salomon é um daqueles cara valentões e destrambelhados, um verdadeiro palhaço. (Admirador!)

Appie Riem é bem ortodoxo, mas também um pestinha.

*Iniciais conferidas aleatoriamente para preservar a privacidade das pessoas.

1 notes · See All

Monday 26th October 2020 5:55pm - It’s okay to feel emotions. You’re allowed to feel depressed, happy, sad, confused, anxious etc. Emotions do not make you weak they make you human. If you don’t let the emotions out you’ll bottle them up and they’ll explode in a way that’s not good. So laugh, cry, smile, your feelings are valid and anybody who says they aren’t ain’t good enough to be by your side. But feelings can’t be ignored, no matter how unjust or ungrateful they seem.


*short because I’m mentally exhausted and it’s only 6pm*

2 notes · See All

Anne Frank escreveu um diário entre 12 de junho de 1942 e 1° de agosto de 1944. A princípio, guardava-o para si mesma. Até que, certo dia de 1944, Gerrit Bolkestein, membro do governo holandês no exílio, declarou em transmissão radiofônica que, depois da guerra, esperava recolher testemunhos oculares do sofrimento do povo holandês sob ocupação alemã e que estes pudessem ser postos à disposição do público. Referiu-se especificamente a cartas e diários.

Impressionada com aquele discurso, Anne Frank decidiu que publicaria um livro a partir de seu diário, quando a guerra terminasse. Assim, começou a reescrever e a organizar o diário, melhorando o texto, omitindo passagens que não achava tão interessantes e acrescentando outras de memória. Ao mesmo tempo, continuava a redigir seu diário original. The Diary of Anne Frank: The Critical Edition (1989), o primeiro diário de Anne, sem cortes, é citado como versão a, para distingui-lo do segundo, com alterações, conhecido como versão b.

A última anotação do diário de Anne data de 1° de agosto de 1944. Três dias depois, em 4 de agosto, as oito pessoas que se escondiam no Anexo Secreto foram presas. Miep Gies e Bep Voskuijl, as duas secretárias que trabalhavam no prédio, encontraram as folhas do diário de Anne espalhadas pelo chão. Miep Gies guardou-as numa gaveta. Depois da guerra, quando não havia mais dúvidas de que Anne estava morta, ela deu o diário, sem lê-lo, ao pai da menina, Otto Frank.

Após longa deliberação, Otto Frank decidiu realizar o desejo da filha de publicar o diário. Ele selecionou material das versões a e b, organizando-as numa versão mais concisa, posteriormente citada versão c. Leitores do mundo inteiro conhecem essa versão como O diário de Anne Frank.

Otto Frank levou em conta vários aspectos ao tomar essa decisão. Para começar, o livro tinha de ser curto, para adequar-se a uma coleção publicada pelo editor holandês. Além disso, omitiam-se várias passagens que tratavam da sexualidade de Anne; na época da primeira publicação do diário, em 1947, não se costumava escrever abertamente sobre sexo, muito menos em livros para jovens. Em respeito aos mortos, Otto Frank também omitiu várias passagens pouco elogiosas sobre sua mãe e os outros moradores do Anexos Secreto. Anne Frank, então com 13 anos quando começou o diário e 15 quando foi forçada a parar, escreveu sem reservas sobre as coisas de que gostava ou não gostava.

Quando morreu, em 1980, Otto Frank deixou os manuscritos da filha para o Instituto Estatal Holandês para Documentação de Guerra, em Amsterdã. Como se questionava a autenticidade do diário desde a sua primeira publicação, o Instituto para Documentação de Guerra mandou fazer uma profunda investigação. Assim que foi considerado autêntico, sem qualquer sombra de dúvida, publicou-se o diário na íntegra, juntamente com os resultados de um estudo exaustivo. The Critical Edition contém não somente as versões a, b e c, mas também artigos sobre o passado da família Frank, as circunstâncias relativas à sua prisão e deportação e o exame da caligrafia de Anne, do documento e dos materiais usados.

A Anne Frank-Fonds (Fundação Anne Frank) na Basileia, na Suíça, que como única herdeira de Otto Frank também recebera os direitos autorais de sua filha, optou por uma edição nova e ampliada do diário, para os leitores em geral. Esta nova edição não afeta absolutamente a integridade da antiga, editada por Otto Frank, que levou o diário e sua mensagem a milhões de pessoas. A tarefa de compilar a edição ampliada ficou a cargo da escritora e tradutora Mirjam Pressler. A seleção original de Otto Frank foi então acrescida de trechos das versões a e b de Anne. A edição integral de Mirjam Pressler, aprovada pela Fundação Anne Frank, contém uns 30% a mais de material e pretende dar ao leitor uma ideia melhor do mundo de Anne Frank.

Em 1998, veio à luz a existência de cinco páginas anteriormente desconhecidas do diário. Com a permissão da Fundação Anne Frank, uma longa passagem datada 8 de fevereiro de 1944 foi então acrescentada ao fim da anotação já existente naquela data. Uma curta alternativa à anotação de 20 de junho de 1942 não foi incluída aqui porque uma versão mais detalhada desse mesmo dia já faz parte do diário. Além disso, em razão das descobertas de 1998, a anotação de 7 de novembro de 1942 passou para 30 de outubro de 1943. Para mais informações, o leitor pode recorrer à quinta edição da The Critical Edition holandesa revisada (De Dagboeken van Anne Frank, Nederlands Instituut voor Oorlogsdocumentatie, Amsterdam: Uitgeverij Bert Bakker, 2001).

Ao escrever a segunda versão (b), Anne criou pseudônimos para as pessoas que figurariam em seu livro. Inicialmente, quis chamar a si própria de Anne Aulis e, mais tarde, de Anne Robin. Otto frank optou por chamar os membros de sua família pelos próprios nomes e acatar a vontade de Anne com relação aos demais. Com o passar dos anos, a identidade das pessoas que ajudaram as famílias do Anexo Secreto tornou-se amplamente conhecida. Na presente edição, as pessoas que ajudaram aparecem com os nomes verdadeiros, como merecem. Todas as outras figuram com os pseudônimos usados em The Critical Edition. O Instituto para Documentação de guerra designou iniciais arbitrariamente para as pessoas que preferiram continuar anônimas.

Os nomes verdadeiros das outras pessoas que estavam escondidas no Anexo Secreto são:

A Família van Pels

(De Osnabrück, Alemanha)

Auguste van Pels (nascido em 9 de setembro de 1900)

Hermann van Pels (nascido em 31 de março de 1898)

Peter van Pels (nascido em 8 de novembro de 1926)

Chamados por Anne, em seu manuscrito, de: Petronella, Hans e Alfred van Daan; e, no livro, de: Petronella, Hermann e Peter van Daan.

Fritz Pfeffer

(nascido em 30 de abril de 1889, Giessen, Alemanha): Chamado por Anne, em seu manuscrito e no livro, de Albert Dussel.

O leitor pode ter em mente que boa parte desta edição se baseia na versão b do diário de Anne, que ela escreveu quando estava com cerca de 15 anos. Às vezes, Anne voltava e comentava uma passagem que escrevera antes. Esses comentários estão bem marcados nesta edição. Naturalmente, a grafia e os erros de linguagem de Anne foram corrigidos. Afora isso, o texto foi preservado basicamente como ela escreveu, posto que qualquer tentativa de alterá-lo e torná-lo mais claro que seria inadequada em uma documento histórico.

1 notes · See All

Hello amantes da leitura!! Tudo bem com vocês??
Esse é o Diário completo de Anne, sem cortes! Por isso quero que saibam que os 2/3 primeiros capítulos são as informações iniciais, que contam um pouco mais do livro! O Diário em si começa no capítulo 1!! 
Espero que gostem! 
Bexos bexos
Boa leitura! <3

Edições Bestbolso
O diário de Anne Frank

Anne Frank nasceu em 1929, na Alemanha, filha de um banqueiro e de uma dona de casa. Aos 4 anos de idade, Anne foi obrigada a sair do país com sua família após a chegada de Adolph Hitler ao poder. Em 1942, com a perseguição aos judeus deflagrada também na Holanda, Otto Frank, sua mulher e filhas unem-se a mais quatro pessoas e decidem se esconder dos invasores alemães. Por dois anos, até serem delatados, eles tiveram que viver limitados ao anexo do sótão do escritório de Otto Frank. No esconderijo, o diário de Anne era o único instrumento de liberdade que ela possuía, e, nele, relatou a vida cotidiana do Anexo Secreto, as transformações sofridas por cada um dos que ali residiram e a angústia daqueles dias. Anne Frank morreu de tifo, no campo de concentração Bergen-Belsen, aos 15 anos.

Anne Frank nasceu em 12 de junho de 1929. Ela morreu aprisionada no campo de concentração Bergen-Belsen, três meses antes de completar 16 anos.

Otto H. Frank foi o único membro da família que sobreviveu ao Holocausto. Ele morreu em 1980.

Mirjam Pressler é premiada autora de livros infanto-juvenis na Alemanha.

1 notes · See All

 The Diary of Anne Frank (1959) dir. George Stevens

That’s how I found out about my wife’s death, Margot’s, Van-Daans, Peter, Dussel but… Anna. I still hoped. Yesterday I was in Rotterdam, I met a woman there. She had been in Belsen with Anna.

I know now. 

In spite of everything, I still believe that people are really good at heart. She puts me to shame.

thebarroomortheboy
thebarroomortheboy
thebarroomortheboy
thebarroomortheboy
thebarroomortheboy
thebarroomortheboy
0 notes · See All
nichseText
image

I must uphold my ideals, for perhaps the time will come when I shall be able to carry them out.

11 notes · See All
pi-noPhoto

‘Herkes uyumadan önce her gece o gün başından geçen olayları bir sıradan geçirip hangilerinin yanlış olduğunu düşünseydi kim bilir dünya ne kadar daha güzel, daha yaşanası bir yer olurdu.’

Anne Frank

Artist: Marc Chagall

pi-no
52 notes · See All

Colored photo of the day- Anne Frank in 1939, colored by me. This took about 2 hours.

her-story
her-story
2 notes · See All

Peter gyakran biztat:

-Nevess hát!

Ez annyira feltűnt nekem, hogy megkérdeztem:

-Minek nevessek folyton?

-Olyan szép vagy így; két gödröcske jelentkezik az arcodon

0 notes · See All

“Sis Heyster also writes that girls of this age don’t feel quite certain of themselves, and discover that they themselves are individuals with ideas, thoughts, and habits. After I came here, when I was just fourteen, I began to think about myself sooner than most girls, and to know that I am a “person.” Sometimes, when I lie in bed at night, I have a terrible desire to feel my breasts and to listen to the quiet rhythmic beat of my heart.

I already had these kinds of feelings subconsciously before I came here, because I remember that once when I slept with a girl friend I had a strong desire to kiss her, and that I did do so. I could not help being terribly inquisitive over her body, for she had always kept it hidden from me. I asked her whether, as a proof of our friendship, we should feel one another’s breasts, but she refused. I go into ecstasies every time I see the naked figure of a woman, such as Venus, for example. It strikes me as so wonderful and exquisite that I have difficulty in stopping the tears rolling down my cheeks.

If only I had a girl friend!”

Anne Frank, The Diary of a Young Girl - page 130 to 131, initially censored by her uncle

image
7 notes · See All
Next Page