Visit Blog
Explore Tumblr blogs with no restrictions, modern design and the best experience.
#cshqs:task
bstdayevah · a month ago
Photo
Tumblr media
◜  𝐓𝐎𝐊𝐄𝐍 .
— Personagem: Daisy Heart // Rapunzel.
— Objeto: A frigideira que usara para se defender ao encontrar Flynn Rider pela primeira vez e que a acompanhou durante grande parte de sua aventura fora de sua torre. É um objeto comum, composto de ferro fundido que mostra as marcas de uso que ganhou e acumulou durante os anos. É bastante pesada e antiga.
— Localização/onde está escondido: Encontra-se na cozinha de @mcrryweathcr, tendo sido adquirida em uma das lojas locais especializada em artigos para a casa em algum momento no passado. 
10 notes · View notes
krmzi · 2 months ago
Text
𝐖𝐎𝐍𝐃𝐄𝐑𝐋𝐀𝐍𝐃 + 𝐏𝐑𝐎𝐌𝐏𝐓: 𝐭𝐡𝐞 𝐚𝐰𝐚𝐤𝐞𝐧𝐢𝐧𝐠 𝐨𝐟 𝐡𝐞𝐫 R𝐞𝐝 R𝐢𝐠𝐡𝐭 H𝐚𝐧𝐝 🐺
Em Wonderland, Crimson se transforma em loba pela primeira vez, e esse será o despertar desse seu lado em Storybrooke + Inspirado em Rei Leão, a Crimson encontra um recado nas estrelas. Literalmente, as estrelas tentam falar algo para ela, e ela não sabe se está ficando doida, se mais alguém viu, ou se realmente aconteceu.
Tumblr media
     Ao abrir os olhos, Crimson não entendia muito bem o que estava acontecendo. Ela não conseguia se lembrar da noite passada, nem da antepassada, era como se suas memórias tivessem simplesmente desaparecido. Assim que a confusão do despertar passou, pode analisar o cenário em que se encontravam, e aquela certamente não era Storybrooke. A própria mulher se sentia diferente, e assim que seu cérebro ordenou que as mãos passeassem por seu corpo, percebeu que não era humana, e sim, um animal. Mais especificamente um lobo. Naquele momento, sentiu um pequeno desespero tomar conta de si, porém, imaginou que aquilo não passava de um sonho. Ela não sabia o que fazer, não tinha a mínima ideia de como escapar daquela situação, então, decidiu apenas aceitar e explorar o local como canídea.
     O local em que estava era tudo, menos bonito. Parecia ter passado por uma guerra ou algo parecido, e por mais que algumas flores insistissem em brotar em um canto ou outro, a maioria do local parecia estar tomado por uma coloração feia que até entristecia. Além disso, conforme caminhava sobre as quatro patas peludas, tentando entender como fazer aquilo com elegância, aproveitava o ambiente para camuflar-se e não ser vista pelos mais diferentes animais que passavam por ali, fossem terrestres ou voadores. Não queria interagir com ninguém até que tivesse plena consciência do que estava acontecendo.
     Conforme o dia ia passando, mais ela se acostumava com a sensação de agora de ser um lobo, e até gostava daquilo. Sentia-se mais poderosa, capaz de fazer tudo. Queria poder estar daquela forma na floresta de Storybrooke, é claro, e não em meio a um local desconhecido. Porém, não iria iludir-se muito com aquilo, afinal, não passava de um sonho. E com tais pensamentos, continuava a vagar pelo local, e conseguira até mesmo assistir algumas cenas se desenrolar à sua frente, achando engraçado de alguns rostos lhe parecerem conhecidos, como os moradores da cidade.
     O anoitecer não demorou a chegar e ela procurou uma clareira em meio a floresta em que estava para tentar dormir. No entando, perdeu o sono no momento em que encarou o céu e o que antes era cinza e escuro, completamente nublado, agora fora substituído por um céu estrelado, de tirar o fôlego, que nem mesmo parecia real. O que era óbvio, afinal, nada ali era. A situação se tornou ainda mais estranha quando, com o focinho ainda apontado para o céu, ela pode jurar que as estrelhas começaram a se mexer. E ao ver que começavam a montar uma frase, Crimson pensou estar louca. Mas tudo bem estar, aquele não era um mundo de verdade, talvez todos fossem loucos ali. Um grunhido, que era para ser um riso, soou da loba, e ela continuou a observar o céu movimentar-se, formando as mais diversas formas, até acabar em uma frase: não tenha medo de agir, você é forte, como uma loba. Seja feliz, corra atrás do que ama e não deixe nada impedi-la. Era uma frase longa, porém, pareceu fazer completo sentido para a Kirmizi. Com o coração cheio de esperança, caiu em um sono profundo.
     No dia seguinte, acordou envolvida em um vestido cinza, meio descosturado e sujo, mas com suas pernas no lugar. Ela não sabia exatamente o porquê, mas parecia que sua aventura naquele lugar estava apenas começando e sentia que, assim que a lua aparecesse no céu novamente, ela e sua loba interior entrariam em contato e ela estaria pronta para a caça.
9 notes · View notes
darkmetamorphcsis · a month ago
Photo
Tumblr media
Tumblr media
Tumblr media
objeto :: Um colar moldado em uma corrente de prata, ornamentado com uma joia que muito se assemelha à um rubi; mas na verdade foi forjado através do sangue de Drácula e da própria Adrianne em seu primeiro aniversário.
fale/desenvolva um pouco da importância do objeto para o seu personagem :: Ainda que seja uma Dhampir, como filha do Conde, Alucard possuí um poder capaz de superar qualquer vampiro, exceto seu pai. Sabendo dos perigos que pudessem vir a cercá-la no futuro, Drácula originou o colar para resguardar seus poderes e memórias, se tratando de um objeto vinculado a ela desde pequena. Sendo assim, caso algo acontecesse com sua essência, o objeto serviria para restaurar o que quer que fosse a sua forma original.
localização/onde está escondido :: Na noite em que Alucard fugiu do Castelo, com uma ferida mortal em seu peito, uma figura enigmática, que não pertencia ao seu mundo, surgiu para ajudá-la. Se apresentando somente como Chapeleiro , a ele foi entregue uma espada como compensação por sua ajuda despretensiosa. No entanto, Adrienne se aproveitou da partida do mesmo para esconder o colar em um de seus bolsos; para se livrar de uma das últimas coisas que ainda a vinculava à seu pai, sem saber da verdadeira importância do objeto.
7 notes · View notes
cursed-hqs · a month ago
Photo
Tumblr media
O OBJETO TOKEN.
Ainda que os vilões tenham tentado, nenhuma maldição, por mais poderosa que seja, é inquebrável. 
Claro, a maldição que cerca Storybrooke é realmente difícil de ser quebrada, não vou mentir para você! Mas quando foi lançada, a Rainha Má tinha conhecimento da profecia escrita por Lucard que falava sobre a Salvadora. E Merlin, o Light One, tinha conhecimento de tudo quando o bem ainda sobressaía o mal. Apesar de ter sido preso por Rumpelstiltskin durante a maldição e de ter desaparecido por séculos, Merlin sempre esteve presente para proteger a sua Floresta; ele só sabia se esconder muito bem.
Os objetos token foram só mais uma contribuição da magia de luz e da proteção de Merlin. No momento em que a maldição foi lançada, todos se separaram de algo que foi muito importante para eles na outra vida. E esse objeto, agora, guarda a sua memória mais importante (a memória token) e, consequentemente, todas as memórias intactas que viriam com ela. 
Desde a morte de Clarion, outra forte detentora de magia de luz, todos em Storybrooke entraram em contato com a magia pura. E foi aí que eles perceberam que esse objeto, algo que eles talvez nem lembravam que pertencia a eles, sequer sabiam que precisavam tanto disso, ocupou um espaço nas cabeças dos personagens presos na cidade.
Faz um tempo, então, que alguns sentem que precisam encontrar esse objeto como se as suas vidas dependessem disso. Mas onde ele está?
Com essa descrição, vamos à task! É obrigatória. Todos precisam enviar o formulário, mesmo já tendo me dado o objeto antes. 
Vilões precisam fazer a task também. Por que, se já estão acordados e tem suas lembranças? Porque a magia da luz e a das trevas é sempre equilibrada. Enquanto o objeto token de um mocinho pode acordá-lo e salvá-lo, o de um vilão pode destruir as memórias dele da vida passada e/ou destruí-lo como vilão. Mas o objeto token deles normalmente está com eles, a não ser que vocês escolham que esteja com o Rumpelstiltskin.
Personagens acordados, mocinhos e neutros, também precisam fazer a task. No momento em que eles tiverem posse do seu objeto, nenhum vilão ou maldição poderá colocá-los para dormir de novo.
Vocês podem optar por me pedir para dar uma localização do objeto token de vocês, ou podem escolher por vocês mesmos. Não é para encontrá-lo, é só para ter uma referência! 
Personagens pupilos de vilões (ex: piratas do Jolly Roger, Caçador, Gênio, Diaval, Valete, habitantes do Red Kingdom) tem seus objetos mantidos com os vilões da maldição. 
Personagens vilões ou personagens que fizeram acordos com Rumpelstiltskin em suas backstories podem ter seus objetos mantidos pelo Dark One, caso vocês queiram. É interessante porque, assim, o seu personagem pode estar no controle dele.
Outros personagens podem ter seus objetos no controle de vilões se vocês desejarem para desenvolver os plots.
Quem quiser postar a task, sinta-se livre; mas seja como for, me mandem no chat. Seja em link (privado ou público) ou através do submit (como vocês enviam as fichas).
FORMULÁRIO DA TASK.
Personagem:
Objeto: 
Fale/desenvolva um pouco sobre a importância do objeto para o seu personagem: não precisa ser nada longo, só me dá uma orientação do porquê de ter escolhido esse objeto.
Localização/onde está escondido: deixe em branco se você quiser que eu escolha para você.
EXEMPLO.
Personagem: Pierre Daggers/Rumpelstiltskin.
Objeto: Adaga do Dark One.
Fale/desenvolva um pouco da importância do objeto para o seu personagem: a adaga com o nome de um Dark One é a única forma de matá-lo. Quem conseguir colocar as mãos na adaga dele, será a única pessoa capaz de matar Pierre, algo que nem Merlin conseguiria numa batalha entre as trevas e a luz. Como é sedento por poder, Rumpelstiltskin fez questão de guardá-la muito bem, afinal, é literalmente sua destruição. Ele teme que Lucard saiba onde está, mas ainda confia que o filho realmente o ame. 
Localização/onde está escondido: *deixando em branco para a mod escolher*.
14 notes · View notes
cowardlylicn · a month ago
Photo
Tumblr media
𝚏𝚎𝚊𝚝𝚞𝚛𝚒𝚗𝚐 𝚃𝚘𝚍𝚛𝚒𝚌 𝚂𝚝𝚒𝚕𝚕𝚖𝚞𝚗𝚔𝚎𝚜 𝚊𝚕𝚜𝚘 𝚔𝚗𝚘𝚠𝚗 𝚊𝚜 𝚃𝚑𝚎 𝙲𝚘𝚠𝚊𝚛𝚍𝚕𝚢 𝙻𝚒𝚘𝚗.
OBJETO: uma típica garrafa verde de gin tônica com o seu rótulo ridiculamente adulterado para Liquid Courage.
DESCRIÇÃO: É gin, porém, o Leão Covarde acredita ser a coragem em seu estado líquido. Foram palavras do próprio Mágico de Oz para convencê-lo que tudo o que precisava estava dentro daquela garrafa verde; e o Mágico não mentiria, certo? Por isso, o Leão Covarde acreditou cem por cento naquilo e sentiu os efeitos do líquido milagroso ao ingeri-la e, de repente, se tornando corajoso como um leão deve ser. O presente de Oz marca a transição mais importante da vida do Leão, quando deixou de ser covarde e assumiu o seu posto como um dos seres mais corajosos de Munchkin. 
LOCALIZAÇÃO: O objeto está em uma dos quartos mais caros do Gran Hotel, acompanhado de várias outras garrafas no sofisticado bar que a acomodação oferece aos seus hóspedes.
5 notes · View notes
witchhuntrcss · a month ago
Photo
Tumblr media
CURSED STORIES | TASK: TOKEN
Personagem: Thelma Alexandra Kemp; Gretel.
Objeto: Blinkstrike, espada com runas mágicas.
Descrição: Forjada por uma bruxa de luz, a espada utilizada por Gretel em sua caçada possui runas de proteção que atuam como um escudo além de contar com uma pedra de citrino na bainha a qual atua como uma bússola de criaturas sombrias, brilhando quando está por perto de algum dos seres que ela caça. A pedra também remove os medos de Gretel, lhe concedendo mais coragem para enfrentar as lutas. Outra curiosidade é que ao ser fabricada junto às runas, a bruxa responsável lançou um feitiço para que a espada não perdesse o fio e nem ficasse enferrujada com o tempo desde que Gretel se mantivesse fiel ao caminho da luz, protegendo os inocentes e caçando os seres sombrios que os atormentassem. Se porventura a caçadora optasse por tirar a vida de um inocente, os poderes da espada findariam no mesmo instante.
Localização: Como um bom apreciador de itens antigos, Conde Drácula/Rhys Tepes mantém a espada Blinkstrike guardada em meio aos seus itens de coleção.​
5 notes · View notes
toothfciry · a month ago
Text
Tumblr media
                                       * ✧  𝐓𝐇𝐄 𝐓𝐎𝐊𝐄𝐍
Personagem: Toothiana
Objeto: Recipiente de Ouro com seus Dentes de Infância.
Importância do objeto para o seu personagem: Após recolher os dentes das crianças, Toothiana os armazena em um recipiente de ouro que é guardado em seu castelo para o momento em que elas precisem se recordar de memórias importantes. Como elas, Toothiana também preservou suas memórias em um mesmo recipiente. Uma vez que o tenha em mãos, irá se recordar de tudo que guardou. 
5 notes · View notes
whitequcen · a month ago
Text
Tumblr media
                                       * ✧  𝐓𝐇𝐄 𝐓𝐎𝐊𝐄𝐍
Personagem: White Queen / Mirana of Marmoreal 
Objeto: Coroa de Wonderland 
Importância do objeto para o seu personagem: No momento que fora coroada, Mirana entrou em posse de todos os seus poderes. Nela está depositada toda sua responsabilidade como governante, representando o motivo para que esteja viva e lutando. Um mundo inteiro. Sabe que no momento que encontrá-la novamente, terá condições suficientes para lutar de igual para igual com a irmã, outros vilões e até mesmo Dark One. 
5 notes · View notes
xbornvillainx · a month ago
Photo
Tumblr media
                                                        𝖙𝖔k𝖊𝖓.
featuring The Black Fairy; Nox/Asabi Azura.
objeto: uma coroa-tiara de obsidiana.
importância do objeto: a tiara em si é bastante simbólica para Nox. Foi forjada pelo Rei dos Pesadelos, quando ela foi acolhida por ele. No formato de uma coroa, é importante pois reforça a ideia que Nox sempre levou consigo, independentemente de ser exilada e tratada como algo menor por conta disso: por direito, é a Rainha das Fadas, do horror e do desespero. Excetuando-se a obsidiana, em seu cerne, há também inúmeros pesadelos e horrores condensados, quase como uma caixa de Pandora, levando em conta que a joia foi forjada por aqueles que mais entendiam disso. Muito da energia e da essência da alma de Nox está ali, de modo que, se esta tiara fosse destruída, ela certamente definharia quase até a morte, ao mesmo tempo que isso não tornaria seu algoz isento, uma vez que teria sido ele o responsável por espalhar o conteúdo sombrio e macabro que ela abriga, por aí.
localização: com ela, na casa dela, em um cofre secreto.
feat. @boogeymcn
9 notes · View notes
shebcauty · a month ago
Text
Tumblr media
featuring  𝚋𝚎𝚕𝚕𝚎 𝚏𝚛𝚎𝚗𝚌𝚑 / bellatrix andrews
Objeto: uma xícara lascada; Fale/desenvolva um pouco sobre a importância do objeto para o seu personagem: marcou o primeiro momento em que Belle percebeu que talvez a Fera não fosse tão ruim assim. Após deixar a louça cair, estava pronta para ouvir o outro esbravejar palavras para ela, mas na verdade, notou o quão desolada ela estava e a ajudou a consertar parcialmente o objeto, que se tornou um item muito especial para Belle; Localização/onde está escondido: no momento, está nas mãos de Joseph ( @boogeymcn​ ), por isso ele tem certo controle sobre Bellatrix.
6 notes · View notes
tcnats · 2 months ago
Photo
Tumblr media
Tumblr media
𝐇𝐎𝐋𝐃 𝐌𝐄 𝐃𝐀𝐑𝐋𝐈𝐍𝐆 𝐉𝐔𝐒𝐓 𝐀 𝐋𝐈𝐓𝐓𝐋𝐄 𝐖𝐇𝐈𝐋𝐄, an episode about THANATOS
música: last kiss - pearl jam
Ser o Deus da Morte significa não ter sentimentos... até encontrar a Deusa da Boa Morte. Thanatos vê seu mundo se revirar pela mulher de cabelos longos e escuros que ele agora ama. Será possível eles serem felizes no final de tudo?
TW: acidente de carro, morte.
FLASHBACK
O deus da morte era temido por muitos e isso o dava forças para seguir com sua profissão, com sua profecia. Após aliar-se a Hades, Thanatos não tinha muita ideia do que esperar, gostava do fato de que ambos haviam estabelecido uma amizade e que ali no submundo não haveria competição clara entre os dois para ver quem era mais poderoso, pelo menos ele esperava que não. Os dias ali passavam mais lentos do que o normal, mas ele não se importava. Perdera as contas de quantos anos fazia que estava ao lado do deus do submundo, mas estava bem consigo mesmo, ceifando todas as almas que chegavam por ali, abastecendo o submundo como deveria ser. Ele não sentia dó, não sentia remorso, não sentia nada. Suas entranhas de bronze faziam dele perfeito para aquela profissão e ceifar as vidas mal vividas, dignas de não irem aos céus, se tornara seu destino.
O que Thanatos não imaginava era que, anos após a junção a Hades, ele e Perséfone fossem trazer ao mundo uma filha, esta de beleza tão indescritível que pela primeira vez o deus da morte suspirou, sem palavras com tamanha beleza. A deusa da boa morte. Tinha que ser, o completo oposto dele. Thanatos não sabia o que significava se apaixonar, ter sentimentos, mas ele sentia algo sempre que próximo de Macária, nome que a deusa recebera.
Conforme o tempo ia passando, ele e Macária começavam a se aproximar. Ele podia não entender do assunto, mas algo o dizia que ela também tinha sentimentos, quaisquer que fossem, por ele. Esses sentimentos haviam se tornado tão intensos que ele havia decidido perguntar a Hades se poderia pedir a mão dela em casamento, torná-la sua de uma vez por todas. Porém, imaginou que a união consistia na permissão de Perséfone, e esta, já que quase nunca se davam bem, poderia ser a etapa mais difícil de sua conquista.
STORYBROOKE
Quando transportados para Storybrooke, Thanatos optara por não escolher sua vida. Recebera uma história totalmente aleatória, mas que de certa forma cabia a ele. Um médico legista, era até irônico. Sua principal preocupação naquele mundo, no entanto, era encontrar sua amada. Depois do plano que armara contra Perséfone, imaginou que unir-se a Macária ali não seria difícil. O reencontro acontecera no hospital. Não demorou nem mesmo um segundo para reconhecê-la e riu do fato dela ter se tornado uma traumatologista, sempre preparada para salvar vidas ou dar um bom caminho àquelas que não seria possível salvar. 
Não demorou para que começassem a se conhecer melhor e em pouco tempo já estavam namorando. Mary era perfeita. Dona de um sorriso indescritível, de uma inteligência imensurável, tão parecida mas ao mesmo tempo tão diferente de Macária, porém com poder suficiente para conquistar o coração do deus num piscar de olhos. A paixão entre eles era tanta que logo noivaram, casaram e começaram uma vida juntos e Thanatos, agora Victor Aymed, poderia se descrever como o homem mais feliz do mundo.
FLASHBACK
O dia chegara e Thanatos havia juntado toda sua força para conversar com Perséfone. Sabia que não seria fácil, mas ele não costumava desistir de seus objetivos. Vestira-se bem, uma armadura completamente preta, utilizada apenas para ocasiões especiais. Deixara os cabelos loiros e longos soltos e não estava utilizando a máscara e capa preta tão característica dele, queria olhar Perséfone nos olhos ao fazer o pedido. Assim que conseguiu um tempo livre com a mulher, não demorou em tocar no assunto. “Perséfone, venho até a senhora hoje pois estou apaixonado por Macária, e ela por mim, e gostaria de sua benção para que pudéssemos ficar juntos, para a eternidade.”, ele nem mesmo terminara de falar e o não rapidamente soara. O elongado texto de porque eles jamais seriam felizes, porque Thanatos não tinha sentimentos e todas aquilo que achava que sentia era uma falsidade faziam com que sua raiva começasse a crescer. Quem ela achava que era para dizer uma coisas daquelas? Ela nem mesmo o conhecia de verdade.
O argumento durara o que parecia ser mais de uma hora, o que iniciara como apenas uma conversa agora era uma discussão de vozes em tons tão altos que possívelmente poderiam ser ouvidos pelo submundo inteiro. O que Thanatos não esperava era que Macária aparecesse por ali, e no segundo que seus olhares se encontraram, ele interrompeu sua fala, o coração de bronze parecendo bater mais forte. Perséfone, aproveitando o momento de fraqueza e utilizando uma magia não conhecia por ele, fez com que a filha desaparecesse. Naquele momento, Thanatos sentiu algo que jamais julgou possível: dor. E Perséfone fez questão de enfatizar que ele jamais a teria em seus braços.
Mas aquela situação não ficaria assim, Thanatos iria se vingar. Nem que fosse a última coisa que fizesse em sua vida.
STORYBROOKE
Victor estava feliz, mais do que poderia ter imaginado. Se soubesse que a vida em Storybrooke seria daquela forma, em que poderia ser feliz com a mulher que tanto amava, teria inventado a maldita maldição muito antes. Ele e Mary se davam tão bem que era engraçado, haviam se tornado o casal modelo para os vizinhos e o até então deus da morte, por mais que trabalhasse no necrotério, havia esquecido da morbidade e tristeza em sua vida, e sorria todos os dias.
Porém, tudo que era bom é fatídico a durar pouco. Numa tarde, enquanto ainda estava no trabalho terminando uma necropsia de um paciente, ouvira o celular tocar. Sabia que aquilo era estranho, afinal, ele nunca tocava quando ele estava em serviço. Deixou seus materiais de lado e atendeu o telefone, apenas para no minuto seguinte deixá-lo cair no chão com o que ouvira. Como se não houvesse amanhã, e ao mesmo tempo torcendo para que não fosse verdade, deixou todo o serviço de lado e ordenou que os outros funcionários terminassem o que ele havia começado. Trocou de roupa rapidamente e foi até o estacionamento do hospital, pegou o carro e então partiu para o local que lhe fora apontado.
Ao chegar, estacionou o carro e a cena que viu parecia algo tirado de um filme de terror. As fitas amarelas com preto que cercavam a área e as mais diversas sirenes que soavam traziam um aperto ao seu coração. Já começando a desnortear-se, Victor caminhou até a entrada mais próxima, até ser parado por um policial. “É minha esposa! Minha esposa...”, as palavras pareciam não ter forças para sair e assim que sua entrada foi liberada e ele teve melhor visão do que acontecera, desabou ao encontrar o corpo de Mary, todo machucado e com seus olhos fechados, já colocado para fora do carro que estava completamente destruído após chocar-se com outro veículo e uma árvore. Caiu uma chuva danada e somente nessa região, foi estranho... os dois carros se perderam e foram ambos de encontro com a árvore numa velocidade muito alta, eu sinto muito. Essas haviam sido as palavras do delegado e responsável pela cena. Victor não conseguia processar aquilo tudo. Seus olhos que choravam lágrimas sem parar pareciam já não enxergavam mais nada. Como se estivesse sendo guiado apenas pelo sentimento, deixou-se ir até a esposa, e sentando ao lado de seu corpo, puxou-a para seu colo. “Não, por favor, não me deixe... não nesse mundo também.”, o choro misturado de desespero parecia chamar a atenção de todos envolta, que deixavam que ele vivenciasse aquele momento de luto. “Mary... Macária... eu não posso perder você, não de novo...”, ele quase não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo. Com um suspiro, ao ouvir os paramédicos dizerem que precisavam mover o corpo para seu hospital, onde ele a atenderia, Victor apenas negou e com a mão pediu um momento. Como se existissem apenas os dois ali naquele momento e como se de repende ela tivesse voltado a vida, beijou os lábios da esposa e a abraçou uma última vez. “Eu prometo que serei um homem bom o suficiente para encontrá-la do outro lado. Nos vamos ficar juntos, eu prometo.”, beijou a mão da amada, os dedos gélidos contrastando com o calor de sua boca; e então, deixando que ela fosse levada, abraçou-se a si mesmo até se recuperar. A partir daquele momento, sua vida naquela cidade jamais seria a mesma, não havia vida sem Mary, não para Victor Aymed.
7 notes · View notes
elincrs · 3 months ago
Photo
Tumblr media
Tumblr media
𝐏𝐋𝐄𝐀𝐒𝐄 𝐃𝐎𝐍'𝐓 𝐓𝐀𝐊𝐄 𝐌𝐘 𝐒𝐔𝐍𝐒𝐇𝐈𝐍𝐄 𝐀𝐖𝐀𝐘, an episode about QUEEN ELINOR
música: you are my sunshine - johnny cash
Ela é uma rainha, uma guerreira, uma líder e uma mãe. Ela ama sua família mais do que qualquer coisa no mundo. Às vezes ela é durona, ela sabe. Mas o mundo consegue ser ainda mais durão com ela. Como Rainha Elinor lidará com uma tragédia em sua vida?
TW: aborto.
FLASHBACK
parecia que já faziam anos que ela havia sido transformada em urso pela filha; mas na verdade, faziam apenas alguns meses. depois de finalmente se acertarem e deixarem as diferenças de lado, a rainha elinor e sua família viviam finalmente em paz. o reino estava prosperando, mantinham boas relações com seus aliados e ela via um futuro brilhante para todos os filhos, dessa vez acreditando no potencial de cada um, mas não deixando de ser menos exigente.
as noites agora pacíficas traziam mais oportunidades para ela e para o marido, eles saíam em encontros quase toda a semana, e esses se tratavam principalmente de caminhadas sob a luz do luar pelo reino, principalmente agora que não tinham mais de temer ameaças de animais selvagens. com os encontros, vieram noites de amor sem fim, que apenas fortaleceram o casamento do rei e da rainha de dunbroch, e não demorou muito para que um tempo depois, uma das amas de eleanor tivesse certeza de que ela estava grávida novamente. a novidade não demorou em se espalhar e até mesmo uma festa foi dada no reino para comemorar o quinto herdeiro da família, trazendo imensa felicidade a todos.
STORYBROOKE
desde que descobrira a gravidez inesperada, eleanor vinha tomando todo o cuidado possível. já no terceiro mês de gestação, ficara mais aliviada, afinal, as chances de perder seu bebê diminuiam cada vez mais, mas ela, principalmente por sua idade, não iria se deixar relaxar e nem mesmo se descuidar. ela não conseguia imaginar como seria se algo acontecesse a esse bebê, afinal, ele havia reunido a família novamente: as brigas diminuído, finnegan estava sempre com um sorriso no rosto e até mesmo mackenzie parecia querer viver grudada na mãe, ou no irmão, melhor dizendo. ainda assim, o sorriso que aparecia no rosto de eleanor todos os dias era prova suficiente de que aquele inesperado bebê tinha vindo até eles por uma razão.
tudo estava indo às mil maravilhas, eleanor chegou ao quarto mês de gestação e sentia as maravilhosas mudanças de uma gestação já atingirem seu corpo. a barriguinha já começava a se exibir e ela se sentia mais preparada do que nunca para seu quinto filho. porém, nem tudo podia ser perfeito na vida da médica. enquanto auxiliava um dos residentes em sua primeira cesárea, sentiu um repentino mal-estar e em seguida, uma pontada de dor no útero, seguido do líquido escuro que manchava seu pijama cirúrgico enquanto corria por suas pernas. não demorou muito para que seu campo de visão ficasse totalmente escuro e ela sentisse o corpo cair contra o chão.
FLASHBACK
elinor acordou com muita dor, suando frio. não sabia exatamente o que estava acontecendo, mas não era algo legal. ainda sonolenta, tateou a enorme cama que dividia com o marido em busca do corpo masculino. assim que o achou, chacoalhou a figura com certa força para que ele acordasse. em seguida, as mãos passearam mais um pouco pela cama, descendo por suas pernas, sentindo então o molhado que cobria os lençóis, o líquido quente e viscoso, e ela sabia muito bem o que aquilo significava. não poupou esforços e deixou que um grito escapasse por sua garganta, começando a chorar logo em seguida. fergus rapidamente despertou e acendeu as velas do quarto, olhando para ela e entendendo a situação. abraçou-a rapidamente e chamou a ama, pedindo o médico real. quando o home chegou, afastou todos do quarto e deu assistência a elinor, mas como a rainha havia imaginado, perdera seu filho, sem nem mesmo saber o motivo pelo qual aquilo aconteceu.
os dias seguintes foram de muita dor e tristeza, elinor não podia sair do quarto até se recuperar por completo, e apesar da tragédia, todo o apoio da família que teve fez com que ela começasse a se recuperar melhor do que o esperado. quando pode finalmente sair do quarto, elinor mandou construírem uma estátua no salão de festas do castelo da família, uma enorme estátua em formato de sol. “mesmo nesse clima frio da escócia, você foi meu calor, sempre te amarei, mo mòrag.”, e assim, ela jamais esqueceria do quinto dunbroch, tão amado que ele fora.
STORYBROOKE
eleanor acordou sem se lembrar onde estava, os olhos pesados demoraram a analisar o ambiente e entender que estava em um dos quartos do hospital. a máscara de oxigênio que cobria seu rosto a fez entender que algo sério havia acontecido. não demorou muito para que tentasse se levantar e a dor na região uterina voltasse, logo fazendo com que a mulher tocasse a barriga, feliz ao sentir que seu filho ainda estava ali. só em seguida percebeu que o marido estava ao seu lado, parecia tão assustado... estendeu a mão e segurou a dele, um conforto logo tomando conta dela, um pequeno sorriso aparecendo em seus lábios. não demorou para que a outra obstetra do hospital, sua colega de trabalho, aparecesse para dar as notícias. contou que eleanor havia desenvolvido um descolamento de placenta, e ela sabia muito bem o que aquilo significava. além de ficar alguns dias no hospital, precisaria ter ainda mais cuidado com a gravidez, essa agora de alto risco. assim que o marido se ausentou para conversar com a médica, eleanor respirou fundo e acariciando a barriga, cantou brevemente. “you are my sunshine, my only sunshine, you make me happy... when sky’s are grey...”, sentia as lágrimas já se formarem em seu rosto. “you’ll never know, dear, how much i love you... please don’t take my sunshine away...”, e então, como um sinal, lembrando-se de sua língua materna, decidiu o nome de seu bebê. “morag, não me abandone, não agora. eu preciso de você.”, e então, o chute que recebeu foi a resposta confirmatória que, apesar de todo o cuidado e das situações que teria que enfrentar dali para frente, tudo ficaria bem.
7 notes · View notes
krmzi · 4 months ago
Photo
Tumblr media
Tumblr media
𝐉𝐄𝐀𝐋𝐎𝐔𝐒𝐘 𝐖𝐈𝐋𝐋 𝐃𝐑𝐈𝐕𝐄 𝐘𝐎𝐔 𝐌𝐀𝐃, an episode about RED RIDING HOOD
música: el tango de roxanne - moulin rouge
Uma garota e uma capa vermelha. Uma vez tão insignificante, outra desejada por muitos homens. Como Ruby irá lidar com os olhares sedentos sobre seu semblante? Como ela irá fugir do ciúme doentio do homem o qual ela foi prometida?
TW: assédio e violência.
FLASHBACK
não fazia muito tempo desde que ruby se apaixonara pela loba, e por mais que tivesse já descoberto da verdade sobre ela, não deixaria que a transformação em animal mudasse seus sentimentos. estava decidida a fugir com ela, mas sabia que seria difícil deixar a avó de lado, ainda mais com a vila tão movimentada nos últimos tempos e ela cada vez mais idosa e impossibilitada, além de teimosa. naquela noite, ao chegar na cabine de madeira, estava preparada para uma conversa com a mais velha, mas fora surpreendida. ao abrir a porta, um homem portando roupas que pareciam extremamente caras conversava com a avó, e acompanhando dele estavam ainda mais outros homens, quase como uma guarda.
“vovó... o que está acontecendo aqui?”, perguntou, deixando-se ser notada, apesar de ter feito bastante barulho com a pesada porta de madeira da cabine. a mais velha se levantou e apresentou o outro, um lorde de uma terra um pouco distante dali, mas que havia ouvido falar da imensurável beleza de ruby e que tinha muito interesse em casar com ela; ele bate todos os seus outros pretendentes, dizia a avó muito orgulhosa. a mais velha estava deslumbrada, apenas pensando na possibilidade daquele casamento dar certo. mas não, aquilo não era o que ruby queria, ela já estava apaixonada, por mais que não pudesse contar a ninguém.
não podendo contradizer a avó, ruby foi obrigada a passar o resto da semana acompanhando um homem que comprara uma cabine no vilarejo apenas para isso. ele era um lorde, um homem poderoso, e por mais que a garota da capa vermelha fosse destemida, tinha sim medo do que ele poderia fazer com ela ou sua avó caso ela não seguisse suas ordens. ela não tinha escolha, mesmo sabendo que jamais poderia se apaixonar por ele, não quando estava já apaixonada pela loba. teria que portar seu melhor papel de atriz até que ele decidisse ir embora, eventualmente ele perceberia que ela não era material para uma esposa.
STORYBROOKE
desde a saída de todric do rosa do deserto, as noites de crimson pareceram se tornar menos divertidas. ela ainda amava a sensação que estar no palco a passava, mas terminar a apresentação e tomar o típico drink não era o mesmo sem os olhos azuis a encontrando por ali. seu desânimo podia ser notado, e ela soube disso no momento em que o chefe se aproximou. contou a crimson que havia um cliente extremamente interessado nela e que a partir daquele momento, se ela quisesse, ele teria exclusividade sobre a dançarina, por uma boa quantia de dinheiro que seria dividido entre ele e ela, além dos mais diversos mimos que o homem daria a crimson. a kirmizi sabia que anteriormente jamais se subteria àquilo, porém, sentia que precisava recuperar sua essência, brincar com fogo, e quem sabe aquele jogo que envolvia dinheiro podia ajudá-la naquela missão, então, aceitou.
não demorou até ser guiada aos últimos andares do rosa do deserto. a cabine privada de lucca dicardelli não deixou de impressionar crimson, ela nunca havia entrado naquela sessão do rosa do deserto antes, afinal, não tinha autorização. logo de começo o mais velho já passou a mão pela cintura da kirmizi, puxando-a para perto. você não tem ideia do quanto eu esperei para tê-la, ele sussurrou em seu ouvido e naquele momento, o que parecia ser uma aventura interessante, já começava a preocupar crimson, mas ela deixou-se levar naquela sensação de ser desejada, de saber que entre todas as dançarinas, ela era a mais bonita. a morena respirou fundo e colocando seu melhor rosto sedutor no rosto, começou a entretê-lo como podia.
FLASHBACK
a casa do lorde era certamente impressionável, especialmente por se tratar apenas de sua casa no vilarejo, e não sua verdadeira, que ruby imaginou ser um castelo. aquela já era a quinta noite que ruby passava com ele, e ela sentia o coração cada vez mais apertado em seu peito por não estar próximo a loba. o lorde a tratava bem, não havia porque reclamar, mas as investidas e mãos bobas que seguiam por seu corpo a incomodavam de certa forma. a capa vermelha se tornara como um escudo de proteção para ela e sempre que precisava se esconder, utilizava o item para se misturar à escuridão.
mais dias se passavam e por mais que o homem não a obrigada a deitar-se na cama com ele, as palavras de baixo calão e o roçar dos lábios em sua pele tornavam-se mais frequentes, além disso, ele ainda a obrigada a realizar tarefas que considerava propícias para uma ‘futura esposa’, como massagear seus pés, e ruby começara a sentir nojo daquilo, jamais se apaixonaria por um homem asqueroso daqueles.
um dia, já cansada daquela situação, aproveitou um momento de distração do lorde para escrever uma carta à loba, torcendo para que ela a recebesse e então, pudesse vir salvá-la. o que não esperava era ser pega no ato pelo homem, que tomado por uma onda de raiva e ciúmes, desferiu um golpe contra a garota e naquele momento, nem mesmo sua capa pode salvá-la, fazendo com que ela caísse perto da lareira do cômodo, queimando a mão nas cinzas, assim como um pedaço do tecido vermelho. naquele momento, sentira-se inútil, como se fosse apenas um peão num jogo de xadrez, indefeso, incapaz de derrotar o rei. ela não sabia como agir, havia perdido toda sua coragem e talvez fosse hora de aceitar a situação e tornar-se submissa a ele. deixou que as lágrimas caíssem, fechando os olhos, procurando mergulhar em um mundo inexistente, onde estaria sozinha e segura. sentiu apenas quando o homem a pegou no colo. você é minha, e apenas minha, as palavras em tom imperativo a assustavam, seria memso aquele final que teria para sua vida? será que jamais veria a tão amada loba? não podia ser verdade. o lorde então a guiou para fora daquele cômodo, e ruby apenas agarrou-se contra a capa e desejou, como se o item fosse mágico, do fundo do coração, que seu amor viesse salvá-la daquela situação.
STORYBROOKE
o que no começo parecera ser divertido e um desafio para crimson, agora começava a se tornar um pesadelo. após algumas semanas, lucca começou a mostrar seu verdadeiro eu, e entre toques não desejados pela mulher e a obrigação dela fazer muito mais do que apenas suas danças com ele começava a incomodá-la. houvera até mesmo uma noite em que um tapa havia sido dado no rosto delicado de crimson, mas ela deixara passar, afinal, todos tinham seus dias ruins. além disso ela estava fazendo muito dinheiro com aquilo, ela e o dono do rosa do deserto, certas condições talvez fossem toleráveis. porém, quando o homem deixou que uma certa obsessão se desenvolvesse e junto dela um pouco mais de atos violentos e inesperados, crimson decidiu que aquele seria o final de tudo, precisava procurar um modo de se livrar daquele traste.
procurando um meio de sair daquela situação, deixou que o homem se convencesse que ela estava apaixonada e com isso, a deixasse mais livre pela casa em que morava. pronta para tomar uma atitude, aproveitou um dia em que estava sozinha para mandar uma mensagem para aqueles que importavam a ela, como mackenzie, sua avó e... todric. ao pensar no amontado de cabelos loiros, sentiu o coração bater mais forte, e se perguntou o que ele acharia daquela situação a qual ela se submetera. pensar naquilo fazia o coração apertar-se em seu peito, afinal, só havia se submetido àquela situação por sentir-se fraca, e agora via a verdadeira face de sua fraqueza. a mensagem fora enviada a todos eles, e no mesmo segundo, a porta do quarto em que estava se abriu. você está me traindo? eu sei que está me traindo!, a voz de lucca começou a esbravejar, e em um ataque de raiva; você me fez acreditar que me amava!, ele veio para cima de crimson, acertando seu rosto com a mão fechada em um soco sem nem pestanejar. juntando toda sua coragem, a morena o empurrou para longe, aproveitando o choque de adrenalina. “eu não sou sua!”, esbravejou em troca. “você é um maluco, que não sabe como se trata uma mulher, você é doente!”, ela deixou que toda a raiva exalasse, não esperando receber outro golpe. levando a mão até o lábio que agora sangrava, deixou que seu olhar encontrasse o dele, e então, lembrando da aula de defesa pessoal que uma vez fizera, desferiu um golpe contra o mais velho, conseguindo derrubá-lo. chutou então suas partes mais íntimas, e aproveitou aquele momento para correr, correr quase que sem rumo em direção à sua liberdade.
a kirmizi decidiu interpretar aquilo como um sinal, de que precisava de ajuda, de que precisava seguir em frente e que viver a vida como se não houvesse amanhã talvez não fosse algo a se fazer tanto. naquele momento, no entanto, não iria decidir nada, apenas precisava encontrar sua avó, abraçá-la, sentir seu calor; e por algum motivo ela sentia que, assim que encontrasse a mais velha, ela teria um objeto especial para entregá-la, como um troféu por ter sobrevivido aquela batalha, que a ajudaria a entender que não precisava se submeter a aquele tipo de coisa para ser feliz, que mudaria sua vida. crimson só não sabia o que era, e de onde vinha aquela sensação, mas pensaria naquilo depois, primeiro, precisava se recuperar.
13 notes · View notes
rubywxller · a month ago
Photo
Tumblr media
◜  𝐓𝐎𝐊𝐄𝐍 .
— Personagem: Ruby Waller // Attina.
— Objeto: A coroa que recebera de presente do pai como símbolo de seu status como a herdeira do trono da Atlântida. Tendo sido entregue a ela sem cerimônias, durante uma conversa íntima com o homem, o objeto se tornou uma preciosidade para a garota. Moldada através de conchas do mar e pérolas, remete a coroa usada pelo patriarca da família, tendo como diferença apenas alguns adornos e a coloração alaranjada, a preferida dela.
— Localização/onde está escondido: Encontra-se dentro de uma redoma de vidro, fazendo parte da decoração do setor infantil do santuário construído por seus pais, especificamente na sala temática sobre sereias e outros mitos relacionados ao mar. Ninguém consegue ter contato direto com o objeto por conta de sua proteção, completamente vedada e exposta no alto de uma prateleira.
5 notes · View notes
ladyjungle · a month ago
Text
Tumblr media
                                      * ✧  𝐓𝐇𝐄 𝐓𝐎𝐊𝐄𝐍
Personagem: Jane Porter
Objeto: Caderno de Desenhos.
Importância do objeto para o seu personagem: Como uma forma de não esquecer de nada que lhe fosse importante, Jane sempre tinha em mãos aquele caderno. Além de utilizá-lo para trabalho, fora naquele objeto que Jane registrara todos os detalhes de sua expedição para encontrar Tarzan e sua mãe. Nele está o primeiro registro do próprio, no momento que o conhecera e se apaixonaram, assim como diversos relatos de sua verdadeira identidade, da época, sociedade em que vivia, etc.
Localização/onde está escondido: Joanna tem a sensação de que o perdeu em uma floresta — provavelmente a de Storybrooke — enquanto tentava registrar algo que tinha visto por lá. No entanto, não faz ideia em que lugar da floresta e se existe possibilidade de reencontrá-lo.
3 notes · View notes
desjardins · 3 months ago
Photo
Tumblr media
Tumblr media
𝐍𝐎 𝐓𝐑𝐔𝐓𝐇 𝐁𝐄𝐇𝐈𝐍𝐃 𝐇𝐈𝐒 𝐖𝐎𝐑𝐃𝐒, an episode about GASTON
música: joey white - the white buffalo
O herói da história? O melhor do mundo? É assim que ele quer ser visto. A verdade? Algo que ele guardará com sua vida. Será que Gaston conseguirá recuperar sua imagem como melhor do mundo carregando tantos segredos em suas mangas?
TW: guerra, explosão e violência.
FLASHBACK
Quando Gaston soubera da Fera, não hesitou em ir atrás dela, convencendo a todos a irem com ele até o castelo do malfeitor. Matar a besta, esse seria o ápice de sua reputação, seu nome ficaria conhecido no lábio de todos e não haveria uma pessoa sequer que duvidasse do potencial dele. Esse era o sonho do LeGume, se tornar desejado, invejado e imensamente mais poderoso que qualquer outro homem de toda Final State, ou melhor, de todo o mundo. A chegada tão teatral ao castelo da Fera apenas fazia com que a imagem de Gaston se tornasse ainda mais impecável, e assim que as enormes portas foram abertas, deixou que seus capangas lidassem com a mobília mágica, ele tinha um objetivo específico em mente. Quando encontrou seu inimigo, não poupou esforços na luta contra ele, e a adaga que tinha em mãos, tão importante para golpear a Fera, tornara-se sua melhor arma. No entando, não esperava que um simples momento de distração, já antecipadamente comemorando sua vitória, acabasse deslizando e caíndo castelo abaixo. Por sorte, sua capa acabou ficando presa em uma das gárgulas que decoravam o mausoléu, e ao mesmo tempo que Gaston pensou que seria um tremendo ato heróico voltar e lutar com a Fera, imaginou que se dar por morto em uma batalha emocionante como aquela faria com que todos se lembrassem dele como o homem que tentou impedir a Fera, e seu nome jamais seria esquecido. Por isso, com cuidado, terminou de descer o castelo sem ser visto e então, sumiu para adentro da floresta, para nunca mais ser visto por aquela parte do reino.
STORYBROOKE
Ao ler seu nome na carta de convocação do exército americano, Gerard quase não conseguia acreditar. Quem o conhecia sabia que aquele era um desejo dele de tempos atrás, e agora, com 19 anos, finalmente havia atingido seu marco. O que parecia um sonho, em pouco tempo se tornou um pesadelo. A verdade era que Gerard não gostava de ser mandado, ele gostava de dar ordens, de ser o melhor; e ser tratado apenas como um soldado comum não cabia a ele. Por isso, deu seu melhor nas primeiras atividades de treinamento e rapidamente subiu de cargo. Não demorou em ser enviado, então, para sua primeira missão, no Iêmen. O que ele não esperava era a realidade ser tão diferente dos treinamentos. No primeiro dia de batalhas a correria, o suor escorrendo por seu rosto, o barulho e a teimosia de alguns soldados já o tiraram a paciência. Ele era um superior, mas no meio de tudo aquilo, não passava de apenas mais um soldado, quase insignificante.
Procurando contornar a situação, numa noite, quando a batalha cessara por alguns momentos para que todos pudessem descansar, Gerard não pregou os olhos. Saíra para caminhar em meio ao silêncio da noite, tão diferente do dia. Foi até a cabine de planejamento e analisou todos os planos postos ali na mesa, as armas ali dispostas, analisou cada detalhe e fora por causa dessa análise minuciosa que descobrira a bomba implantada no local, faltando pouco tempo para que explodisse. No mesmo momento, vários outros soldados entraram na cabine e Gerard logo ajeitou a posta. Cinco minutos. Deveria ele avisar os colegas? Sim. Mas... será que iria? O Desjardins viu naquela bomba uma oportunidade, algumas pessoas sairiam machucadas, é claro, mas ele sairia como um herói. Quatro minutos, três, dois... a conversa ia sendo jogada fora, e quando faltava apenas um minuto para a bomba explodir, Gerard segurou um único soldado consigo e com um grito de ‘CUIDADO!’, saiu correndo da cabine, a explosão acontecendo segundos depois.
Acordou não sabe quanto tempo depois, mas com o companheiro abraçado ao seu corpo, ainda desacordado, ele observou a tragédia ao seu redor. A quantidade de sangue era indescritível, e ele, com algumas feridas e queimaduras nas pernas principalmente, não deixou de se levantar e com dificuldade, caminhar até os outros companheiros que se aproximavam curiosos. “Eu vi a bomba, já era tarde demais...  segurei o soldado 34564, mas os outros... eu sinto muito... não deu tempo de desarmá-la, mas pelo menos um eu salvei.”, começou a contar a história, o falso choro sendo formado na sua garganta. Não demorou para que os companheiros começassem a aplaudir a ação do Desjardins, e assim que ele teve certeza de que sua história estava garantida, desmaiou.
FLASHBACK
Final State era um reino grande. Era impressionante como o que acontecia no castelo principal não repercurtia para o resto do reino. Por isso, Gaston só soubera da vitória da Fera, ou melhor, Adam, algum tempo depois. Estava vivendo isolado em uma cabine bem distante da antiga vila e quando soube de tal fato, simplesmente não pode aceitar. Era o nome dele que precisava ser lembrado, não o daquela Fera nojenta! Por isso, decidira começar a mudar as coisas. Voltando a sua fama de caçador e protetor da cidade, começou a caminhar por diversas vilas do reino, contando sua história de herói, inventando um cenário completamente diferente do que o que realmente aconteceu. Não demorou para que as pessoas começassem a admirá-lo novamente e ele começasse a ganhar poder. Porém, se algum dia fosse novamente derrubar Adam, precisaria de ainda mais ajuda, não negava isso. Por isso, não demorou em fazer mais contatos, e foi assim que se aliou a Rasputin. Infelizmente, não teve tempo de realizar sua vingança, mas ela está planejada.
STORYBROOKE
De volta à sua cidade, Gerard logo foi recebido com muito carinho e aplausos. A fama que queria estava ali, e ninguém nunca saberia da verdade. Ele logo foi consagrado um herói, recebera a medalha do exército pelos serviços prestados e sua foto iria para o memorial da guerra como o homem que salvou um dos companheiros de uma tragédia, infelizmente não conseguindo impedi-la, mas não havia problema, afinal, tinha mesmo sido pegos de surpresa. Gerard agora sentia-se invencível, melhor que todos ali. Usou esse poder e influência, então, para começar seu negócio e jamais deixou de dizer quem era. A mentira morreria com ele no caixão, ele jamais deixaria qualquer pessoa descobrir sobre aquilo, nem que precisasse agir de maneira contraditória para impedir quem quer que fosse tentar atormentá-lo.
5 notes · View notes
dcrlingw · 4 months ago
Photo
Tumblr media
Tumblr media
— Growing Up Is Necessary Season 3, Episode 12. 
Música do Episódio: cardigan — Taylor Swift
Enquanto Wendy precisa descobrir a se virar na Londres tão distinta daquela que deixou ao visitar Neverland, Clementine precisa lidar com seus dúbios sentimentos em relação aos seus pais. O passado se mistura ao presente no momento em que, tanto Wendy quanto Clementine, precisam lidar com suas escolhas em relação à família. Em Londres, Wendy Darling ainda recebe uma proposta para escrever e, ao precisar adotar um pseudônimo, escolhe homenagear alguém de seu passado. 
mencionados (de forma bem rapidinha, pra representar quem ela enxerga como família): @kennymydarling, @olliedarling, @waittwhat, @lostinthewcods, @aloveworthmeltingfor e @gvncho
— Londres, antes da maldição.
Nunca pensou que crescer fosse algo ruim. Durante toda a sua estada em Neverland, tentou convencer Peter Pan de tal coisa, porém agora se perguntava se o líder dos meninos perdidos não estava, na realidade, certo. Era uma planejadora e, dessa forma, quando visitou a Terra do Nunca pela primeira vez, tinha uma ideia bem clara de como imaginava o seu futuro. Sabia, porém, que ainda tinha muito para viver antes de chegar à vida adulta. Teria toda a adolescência para cometer erros estúpidos que lhe renderiam boas histórias, assim como vários anos na escola para passar com suas amigas. Naquela época, também chegava a considerar a ideia de que poderia convencer Peter a voltar para Londres com os três. Afinal de contas, a relação que tinham era absolutamente especial – e, para a felicidade da mais velha dos Darling, nem mesmo Tinkerbell poderia dizer que tinha algo igual ao que Wendy tinha com ele.
A vida, porém, nem sempre saía como planejado. O amor de Peter por não crescer era muito maior do que qualquer amor (se é que era amor) que poderia nutrir por Wendy. Além disso, a magia lhe pregou uma peça ao fazer com que os irmãos retornassem cerca de quinze anos após irem embora. Já não tinham mais os pais, que tinham ido embora sabe-se lá para onde, nem a vida como conheciam. Wendy Darling precisou ocupar o posto de mãe, pai e família dos irmãos mais novos, não demonstrando qualquer fraqueza diante deles. Entretanto, o que John e Michael nunca ficaram sabendo é que toda noite Wendy orava para que acordassem daquele pesadelo e ia dormir em meio às suas lágrimas.
Do dia para a noite, a menina de catorze anos que residia em Wendy se foi e deu lugar a alguém bem menos ingênua e mais adulta. Fez pequenos trabalhos por toda a sua vizinhança, cuidando de crianças, ajudando a consertar qualquer coisa dentro ou fora das casas ou até costurando pequenos trabalhos. Entretanto, a menina-mulher jamais parou de escrever. A maior diferença se deu no conteúdo do que escrevia. Antes, suas histórias eram recheadas de aventuras, agora eram mais sóbrias. O Hyde Park era o seu lugar preferido para escrever, afinal ouvia tantos fragmentos de conversas que conseguia preencher em sua mente o restante. Em um desses dias, Wendy acabou chamando a atenção de uma mulher mais velha do que ela, que lia algo ao seu lado. Pouco tempo depois, surgiu uma oportunidade que mudou a sua vida por bastante tempo; trabalharia para um dos jornais da cidade, escrevendo sob um pseudônimo masculino, é claro. Foi nesse momento que Wendy Darling se tornou W. Pan. Talvez aquela fosse uma forma de homenagear aquele que lhe era sua maior saudade, mas talvez fosse apenas o subconsciente de Wendy lhe dizendo que voltaria a encontrá-lo.
De qualquer forma, Wendy jamais esperou que os anos seguintes se tornassem ainda mais difíceis. A nova guerra trouxe apenas mais desafios à vida dos irmãos Darling, que jamais perderam a esperança de que um dia pudessem voltar àquele mundo tão mágico que outrora conheceram.
— Storybrooke, presente.
O dia finalmente tinha chegado. Após longos anos de estudo combinado a trabalho, estava se formando. Clementine não podia nem acreditar que em um futuro não muito longe estaria trabalhando com algo que tinha sido possível por conta de seu diploma. Parecia uma ideia tão estranha, principalmente após ouvir tantas vezes de seus pais que aquele dia jamais chegaria. Chegava a ser irônica a forma como a mais velha dos Fitzgerald, no fundo, ainda parecia aquela garotinha que esperava a aprovação de seus pais. Tinha plena consciência de que seus dois irmãos eram a única família que precisava, mas ainda assim não podia deixar de se perguntar o que seus pais achariam dela como oradora de sua turma. Uma pessoa que, apesar de ter demorado um pouco mais do que o usual para se formar, conquistara a admiração de seus colegas e professores pela forma como lidava com a vida e suas dificuldades. Naquele momento, terminava de se arrumar em seu quarto e o nervosismo era cada vez mais visível, tanto nos gestos quanto nas feições de Clementine.
(...)
Já fazia uma hora que tinha chegado no local indicado para a formatura e, por já ter tirado as suas fotos, esperava ansiosamente a hora de subir no palco de onde aconteceria a cerimônia. Apesar de ser primavera em Storybrooke, o dia estava bastante agradável e ameno. Tudo ficaria bem. Tinha de ficar, ainda mais depois de todos os acontecimentos recentes na cidade. Até pensara em comemorar sua formatura com alguma grande festa, mas, com a investigação da morte de Clarissa ainda em andamento, não se sentiu confortável em fazer algo além de um jantar com as pessoas mais próximas a ela. Apesar disso, nos últimos dias se sentia nas nuvens. Tinha terminado todas as suas provas e seus trabalhos há pouco mais de uma semana, então tirara os últimos dias para a parte burocrática da formatura e para dormir. Pela primeira vez em anos, Clementine dormiu mais do que dez horas em uma única noite; foi revigorante.
Havia pedido demissão da Tea Cup na semana anterior, então também não tinha que se preocupar mais com o trabalho. Começaria a lecionar na escola de Storybrooke em pouco menos de um mês, precisava se preparar para a nova fase de sua vida. Entretanto, faria tal coisa depois, porque agora chamavam os formandos para se sentarem no palco em frente às famílias. Assim que colocou os olhos nas pessoas que estavam lá, procurou pela sua família. Não demorou muito para encontrá-los. Lá estava Rowan em uma ponta, com Astrid ao seu lado, seguida de Kendall, Oliver e Orson. Até mesmo Killian tinha ido prestigiá-la, porém as duas cadeiras ao lado dele se encontravam vazias. Engoliu em seco, forçando-se a conter as lágrimas que poderiam cair pelas suas bochechas naquele momento. A sua família, a que realmente importava, estava ali. Não faria bem algum pensar em seus pais, até porque não poderia dizer que estava surpresa. O que era extremamente triste, mas era a sua realidade. Todavia, aquele era o primeiro dia do resto de sua vida e Clementine prometera a si mesma que, nela, não haveria espaço para quem não lhe queria por perto.
6 notes · View notes
jxsminc · a month ago
Photo
Tumblr media
                                                       TOKEN
Objeto: Não é exatamente um objeto e sim seu gatinho de estimação, Rajah.
Importância:  Rajah é o responsável por fazer a princesa acordar, porém, apenas quando está em forma de um tigre mesmo, por enquanto, ele é apenas um gato e por isso, ela não se lembra de nada do passado. Mesmo que o gato pareça entender quando ela fala com ele e seja mais arisco do que o normal, ela acredita que é apenas porque ele é protetor consigo.
Localização:  o gato está com ela desde que estava entrando na adolescência, com uns dez ou onze anos, ela não lembra direito — e ainda que suspeite um pouco que esteja tão bem para um gato que está vivo a tanto tempo, ela prefere acreditar que é porque dá muito amor para ele.
3 notes · View notes
thebaddast · a month ago
Photo
Tumblr media
Personagem: Dylan Yoo/ Choi Bada (tritão)
Objeto: Colar de conchas. 
Fale/desenvolva um pouco sobre a importância do objeto para o seu personagem: Bada sempre teve o espírito aventureiro e sempre gostou muito de explorar novos lugares, conhecer novas culturas e novos seres. Apesar de seu lugar favorito ser de fato o oceano, lindo, vasto e cheio de portais para outros mundos, a curiosidade para com o mundo humano ainda existia e ele só podia ter uma visão muito de fora de onde estava. Não querendo abrir mão totalmente de sua cauda - por que no fim do dia, Bada gostava muito de ser um tritão e não abandonaria isso por nada -, o rapaz fez um acordo com Úrsula e ganhou o colar de conchas, capaz de dá-lo pernas enquanto ele o usa, pelo período de no máximo doze horas. 
Localização/onde está escondido: Estava sob posse da Úrsula, porém, após sua morte, agora é a Rainha Má quem o guarda.
2 notes · View notes
mcriamadalena · a month ago
Text
Tumblr media
Personagem: Maria Madalena/Fada Azul
Objeto: Uma tiara azul 
Fale/desenvolva um pouco sobre a importância do objeto para o seu personagem: A tiara foi feita por uma fada artesã quando ainda morava em Pixie Hollow e Blue levou consigo como uma lembrança para que, mesmo com as divergências que a levaram a sair de Neverland, nunca se esquecesse de onde veio.
Localização/onde está escondido: Exposto no Golden Dust, como se fosse uma peça feito pelo ateliê.
2 notes · View notes