Visit Blog
Explore Tumblr blogs with no restrictions, modern design and the best experience.
#risoselagrimas
risoselagrimas · 23 days ago
Text
Menino, eu viajei, confesso!
Eu não sei de onde tirei a ideia de que estava existindo algo entre nós. Que tolice!
Da minha parte foi real, eu senti cada queimação, emoção e depois cada dor.
Feliz foi você, que nada sentiu e permaneceu inteiro. Que inveja de você.
Me prometo que daqui em diante vou cuidar mais de mim e do meu coração. Eu me devo isso.
6 notes · View notes
risoselagrimas · 28 days ago
Text
Eu teria te dado meu mundo se você tivesse deixado.
0 notes
risoselagrimas · 28 days ago
Text
Eu queria tanto que você pudesse se ver através dos meus olhos e, assim, se convencer que você é o ser mais bonito que eles já viram.
0 notes
risoselagrimas · 29 days ago
Text
Dá-me tua mão, e dançaremos;
dá-me tua mão e me amarás.
Como uma só flor nós seremos,
como uma flora, e nada mais.
O mesmo verso cantaremos,
no mesmo passo bailarás.
Como uma espiga ondularemos,
como uma espiga, e nada mais.
Chamas-te Rosa e eu Esperança;
Porém teu nome esquecerás,
Porque seremos uma dança
sobre a colina, e nada mais.
- Dá-me tua mão, Gabriela Mistral
8 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
Quero saber o que mais, ao perder, eu ganhei.
- Clarice Lispector
22 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
eu tenho uma coleção de esquecimentos
e apenas duas mãos pra ver o mundo
meu dia passa inteiro num segundo
mas nada abafa a voz dos pensamentos
nem frontal e nem melatonina
eu tenho as saudades de um soldado
do que haveria de ser o meu passado
de tudo que escapou da minha sina
desculpas, culpas, lapsos de sinapses
impregnam minha corrente sanguínea
e sigo apassivando a carne ígnea
e aplainando os vértices dos ápices
eu sou o super-homem submisso
às rotas da rotina e ao tempo escasso
enquanto esqueço do próximo passo
anoto um outro novo compromisso
queria estar a sós comigo mesmo
e ter a eternidade toda em torno
desfalecer no fogo desse forno
até me desfazer como um torresmo
- Arnaldo Antunes
5 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
Quem me dera que eu fosse o pó da estrada
E que os pés dos pobres me estivessem pisando...
Quem me dera que eu fosse os rios que correm
E que as lavadeiras estivessem à minha beira...
Quem me dera que eu fosse os choupos à margem do rio
E tivesse só o céu por cima e a água por baixo...
Quem me dera que eu fosse o burro do moleiro
E que ele me batesse e me estimasse...
Antes isso que ser o que atravessa a vida
Olhando para trás de si e tendo pena...
- Alberto Caeiro
8 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
quanto tempo falta pra gente se ver hoje
quanto tempo falta pra gente se ver logo
quanto tempo falta pra gente se ver todo dia
quanto tempo falta pra gente se ver pra sempre
quanto tempo falta pra gente se ver dia sim dia não
quanto tempo falta pra gente se ver às vezes
quanto tempo falta pra gente se ver cada vez menos
quanto tempo falta pra gente não querer se ver
quanto tempo falta pra gente não querer se ver nunca mais
quanto tempo falta pra gente se ver e fingir que não se viu
quanto tempo falta pra gente se ver e não se reconhecer
quanto tempo falta pra gente se ver e nem lembrar que um dia se conheceu.
- Romance em doze linhas, Bruna Beber
8 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
Eu pisquei
e superei.
8 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
O que você mais teme
acaba acontecendo
o que você mais quer
acaba acontecendo
o que ninguém espera
acaba acontecendo
o que ninguém consegue
mais conter
acaba
de acontecer
- Arnaldo Antunes
14 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
A tudo, em minha boca,
um sabor de lágrimas se acresce;
a meu pão cotidiano, a meu canto
e até à minha prece.
Eu não tenho outro oficio,
depois do silente de amar-te,
que este oficio de lágrimas, duro,
que tu me deixaste.
Olhos apertados
de candentes lágrimas!
Boca atribulada e convulsa,
em que prece tudo se tornava!
Tenho uma vergonha
deste modo covarde de ser!
Nem vou em tua busca
nem consigo também te esquecer!
E há um romoer que me sangra
de olhar um céu
não visto por teus olhos,
de apalpar as rosas
sustentadas pela cal de teus ossos!
- Coplas, Gabriela Mistral
7 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
Conheço minhas pegadas, de tanto ir e vir.
Às vezes pisam fundo
como carregassem o peso do mundo;
às vezes ficam amassadas
sob o descuido das outras pegadas.
Sobre elas, a lua nova desdobra sua saia
em cena de nudez no chão da praia.
Só perco meus passos na maré cheia:
essa mania do mar de tirar seus sapatos sobre a areia.
Conheço bem minhas pegadas.
Sou capaz de identificá-la em qualquer lugar.
Se ao menos eu soubesse aonde vão me levar... 
- Pés, Flora Figueiredo
6 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.
A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.
Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...
- O que há em mim é sobretudo cansaço, Álvaro de Campos
1 note · View note
risoselagrimas · a month ago
Text
Há um grande silêncio que está sempre à escuta...
E a gente se põe a dizer inquietamente qualquer coisa,
qualquer coisa, seja o que for,
desde a corriqueira dúvida sobre se chove ou não chove hoje
até a tua dúvida metafísica, Hamleto!
E, por todo o sempre, enquanto a gente fala, fala, fala
o silêncio escuta...
e cala.
- O silêncio, Mario Quintana
1 note · View note
risoselagrimas · a month ago
Text
Eu ainda te procuro em lugares que você abandonou há tempos.
9 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
A poesia está guadarda nas palavras - é tudo que eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a reladidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossa).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogios.
- Tratado geral gas grandezas do ínfimo, Manoel de Barros
5 notes · View notes
risoselagrimas · a month ago
Text
Eu criei toda uma história nossa.
Gravei você no meu coração e minha mente achou que você era meu.
Nunca foi, nem sequer passou perto de ser.
Foi tudo inventado. Você foi meu nos meus sonhos e apenas lá.
Quando acordei, me dei conta que deveria tirar a gravação que havia feito no meu coração.
Doeu. Ah! Como doeu cada raspagem que tive que fazer para te tirar de lá.
Hoje estou livre da gravação, mas confesso que a cicatriz dessa violência que eu mesma cometi contra meu coração ainda dói.
Dói muito.
5 notes · View notes
risoselagrimas · 2 months ago
Text
Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.
- Ausência, Carlos Drummond de Andrade
1 note · View note
risoselagrimas · 2 months ago
Text
Ontem me faltou poesia.
Faltou cor.
Faltou amor.
Sobrou dor.
Sobrou rancor.
Hoje me sobreveio a alegria.
Euforia.
Poesia.
10 notes · View notes
risoselagrimas · 2 months ago
Text
Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim um atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato
de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.
- O apanhador de desperdícios, Manoel de Barros
11 notes · View notes